Pular para o conteúdo principal

O queijo e os vermes

Luciano Alvarenga

O Brasil é hoje o maior consumidor de crack do mundo; o segundo maior consumidor de cocaína das Américas; o maior entreposto de tráfico internacional de entorpecentes do planeta. Essas marcas, alcançamos em apenas trinta anos; os mesmos trinta anos da democracia social-liberal de esquerda do PSDB/PT/MDB. Essa “nova” realidade é uma tragédia em si, mas não é a única.
No lastro produzido pelo discurso esquerdizante de que bastam liberdade e distribuição de dinheiro do Estado pra que se consiga fundar um país novo, outra realidade se desenvolveu entre nós. A dos profissionais que transitam entre a legalidade e a ilegalidade, entre o honesto e o corrupto, entre o certo e o errado. E são esses profissionais, hábeis na “arte” de corromperem e serem ‘honestos’, os que mais se dão bem; isto é, ganham dinheiro, fama e reconhecimento social.
Em praticamente todas as áreas de ação das profissões liberais, médicos, advogados, arquitetos, contadores, jornalistas e mais todos os outros, foi se desenvolvendo ao longo dessas últimas décadas, as mesmas décadas em que a corrosão do caráter, da moral e da docência carcomeu a alma nacional, uma extensa e borrada área de atuação pra aqueles profissionais, onde obter vantagens da destruição do caráter nacional transformou-se em qualidade número um no mercado de trabalho desses profissionais.
A formação profissional recebida nos bancos universitários, defasada e aquém do necessário em tempos de revolução tecnológica 4.0, é absolutamente prescindível pra atuar no campo borrado entre o legal e o ilegal.
Agindo numa sociedade onde o Estado é muito maior que o país que ele representa, em que a burocracia é agente esterilizante da iniciativa individual, onde a legislação, seja qual for, incida em que campo for, é tão esdruxulamente exorbitante, tornando vazio o princípio jurídico de que o réu não pode alegar em sua defesa o desconhecimento da lei, criou-se uma ceara fecunda pra atuação daqueles profissionais, especializados na arte de converter embaraço em laço, dificuldade em solução, ética em estética, ocasião difícil em negócio fácil.
De médicos que inventam cirurgias, procedimentos e implantes desnecessários, até arquitetos que negociam sua porcentagem com lojas, empresas e fornecedores à custa dos seus inocentes clientes, até advogados que articulam entre si ganhos e prejuízos negociados entre partes opostas às costas dos clientes que eles representam, o fato é que outra cultura desenvolveu-se entre nós. Não apenas o crime organizado age ao arrepio da lei, e envolvem agentes públicos, hierarquias inteiras do legislativo e judiciário, promovendo o rápido enriquecimento de quem a essas trocas se entrega, mas a própria sociedade, uma vez largada ao desmanche moral geral, promovido, aliás, pelos discursos políticos liberais e de esquerda, passou a agir de acordo com o mesmo princípio norteador do crime organizado.
Ser honesto é coisa de otário; profissional honesto está engessado e impedido da necessária flexibilidade exigida pra existir com sucesso na sociedade em desmanche atual. O campo formal da sociedade brasileira deixou de ser a algum tempo, o lugar das trocas simbólicas, da reprodução dos valores, da educação eficiente e onde nos espelhávamos na realização de um país melhor. É na in-formalidade de relações tóxica, na corrupção, no submundo, na baixa cultura do ganho e do dinheiro conseguido passando pra trás o incauto, que a vida social e profissional hoje se alastra. É a mexicanização do país.
Podíamos ganhar dinheiro empreendendo, mas como a cultura nacional estatizante e a burocracia cancerosa não nos permitem, o dinheiro está sendo feito, ganho nos interstícios da sociedade, naquele lugar onde o legal não alcança e o ilegal é apenas uma questão de interpretação. Onde o honesto e bem feito cede lugar à oportunidade e esperteza.
Profissionais sérios e, pobres, de longas carreiras construídas sobre valores e princípios, assistem abismados e boquiabertos as novas gerações, nascidas e preparadas para ser o que se tornaram; enriquecerem nos escombros daqueles valores e princípios.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…