Pular para o conteúdo principal

Delatar tem mais valor que o crime

Luciano Alvarenga

O instituto da delação premiada é certamente o mais inovador e polêmico instrumento jurídico surgido nas últimas décadas, no Brasil. E isso, não sem razão: em primeiro lugar, por que nunca a questão da corrupção envolvendo políticos e empresários veio à cena com a força que estamos vendo. Em segundo, por que o ministério público emerge como a nova força institucional que tem chamado pra si, a responsabilidade no campo da moralidade pública.
A delação premiada é parte de uma mudança mais profunda no campo dos valores morais e da cultura. A bem da verdade, a ideia de bem e mal, valor e não valor está cada vez mais borrada; de repente, não temos certeza a respeito daquilo que realmente seja um valor, no sentido alto da palavra, e o que não é. A diluição dos valores judaico-cristãos, bem como o desmoronamento do próprio edifício jurídico romano, na sociedade ocidental, na esteira da hipermodernidade, e da ideia de que tudo e qualquer coisa são apenas constructos ideológicos que camuflam a opressão e a violência da cultura ocidental, tem pressionado, fortemente, o edifício jurídico no sentido de incorporar novos padrões, regras e normas jurídicas, que ao contrário de tornar o Direito mais consolidado e firme, tem resultado no seu contrário, o seu desmanche.
A própria justiça, “consciente” de que deixou de ser a expressão, na lei, de uma sociedade organizada, coerente e aquiescente dos seus valores mais profundos, se vê hoje, apenas como uma ferramenta que, ou combate o crime a qualquer custo, ou, é instrumento na construção de uma nova sociedade. Deixa, portanto, de ser expressão dos valores consolidados na tradição (inclusive do próprio direito romano), e passa a ser apenas e tão somente um instrumento maleável e flexível na construção do novo que precisa ser erigido.
Nesse sentido, o que temos visto a partir do ministério público no ocidente, é que a justiça tem se imposto a qualquer custo e a partir de todo estratagema, muitas vezes ilegais, no sentido de que qualquer estratégia ou ato que implique a prisão e, ou, o combate ao crime, deve ser utilizado. Em uma linha, se necessário for o uso do crime no combate ao crime, ele deve ser usado. Não se trata, então, do Direito como expressão dos valores sociais consolidados, mas o direito apenas como arma contra o crime.
A delação premiada é uma ferramenta jurídica numa sociedade que entende que qualquer coisa deve ser feita contra o crime, especialmente os de colarinho branco. Ainda que isso resulte no longo prazo, na diluição do próprio direito. A ideia é que qualquer crime é passível de “perdão”, se significar a possibilidade de alcançar um crime maior. A questão, portanto, não é o crime, mas o seu tamanho.
Um preso, sabidamente criminoso pelos atos que cometeu contra a sociedade, especialmente os de grande envergadura envolvendo relações promi$cuas de agentes do Estado e a iniciativa privada; será solto, se isso significar o desbaratamento de uma quadrilha inteira de criminosos. Do ponto de vista quantitativo e de valores a serem recuperados, e de pessoas a serem presas, certamente é melhor prender vários, do que apenas um; entretanto, do ponto de vista dos valores e da percepção da pessoa comum em relação a isso, o que se percebe é que ser preso e manter-se na cadeia, relaciona-se mais a importância do preso em entregar os comparsas, do que o crime que cometeu. A questão desloca-se do criminoso, e passa ser considerada apenas a delação.
Delatar transformou-se num valor superior ao próprio crime.
A delação premiada não é algo contra o qual se possa lutar, ela é um fato; a sociedade desistiu de si mesma enquanto totalidade de valores comuns e comumente aceitos, e está entregue a guerra de guerrilha contra organizações criminosas dentro do Estado ou fora dele; compreendendo que mais vale colocar na cadeia criminosos, do que manter coerente o edifício jurídico, que no mais, ninguém mais acredita.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…