Pular para o conteúdo principal

Sobre vínculos e falta de amor

Luciano Alvarenga
Alguma coisa com a qual muitas pessoas já se deram conta é com o fato de que os relacionamentos têm durado cada vez menos. Entre o interesse fulminante dos primeiros momentos, até o desinteresse completo pelo outro, o tempo tem sido exíguo.
São relações de tipo para consumo. Como consumidores sabemos por experiência, que nosso interesse se baseia em larga medida pela ideia de que o produto consumido é novo, fato fundamental, e que é algo interessante por alguma razão, seja pela embalagem, pela cor, pela textura, pelo cheiro, status que nos confere, ou qualquer coisa assim.
As relações afetivas estão certamente funcionando a partir do signo do consumo, e sendo determinadas por ele. As pessoas cansam, como nos cansam aquela calça, aquele sapato, aquele carro, aquele celular. Adestrados na ideia, de que o novo comporta algo que ainda não tenho, ou algo que posso gostar, aquela pessoa ou aquela relação que ainda não vivo, certamente é melhor do que essa que já possuo, e perdeu o frescor e o encantamento que o consumir algo novo, nos dá.
Esse é um lado da questão. Mas não, só. Relações não são naturais, são aprendidas. Amor, apego, afeto, vínculo, compromisso, responsabilidade, empatia, são capacidades emocionais desenvolvidas. Todas elas têm na infância sua gênese; é lá, do berço ao tapete, na mesa do almoço, no colo dos pais ou avós, no quintal de casa sob os olhares daqueles que nos amam, que aprendemos a amar.
Mas e quando esse cenário de amor nos falta. Quando nossa infância é marcada pela ausência, pela falta, pela terceirização do ato de amar. Quando o espaço de amor familiar é substituído pelas escolas e creches; quando olhares, sorrisos, abraços, negativas, limites, cheiros, cores, vozes daqueles que nos amam, são substituídos pelos currículos escolares, adestramentos educacionais, comportamentos padronizados tecnicamente e, principalmente, pelo fato de que somos apenas mais um, numa dada série, numa dada classe, entre todos os outros, que nada mais são, que apenas mais um.
Ao mesmo tempo em que olhamos pra crianças e adolescentes e nos parecem absolutamente normais, e são, não nos damos conta do que lhes falta. Eles, certamente sentem o que lhes falta; as crianças expressam com qualidade essa falta. Toda criança insuportável, é uma criança desesperada pelo que lhe falta, amor.
Acostumados ao longo do tempo com o fato de que são apenas um, entre todos, e que mesmo no seu ambiente familiar, pouco se importam com o que é, e do que precisa, aprende depressa e dolorosamente, a crescer sem experimentar o vínculo, o amor, o afeto, o interesse. Crescem cheias de habilidades técnicas, pedagógicas, ideológicas, políticas, mas sem habilidade afetiva, e tudo que ela implica.
Quando adultos, estão treinados a serem sós, ainda que cercados de gente; sabem olhar e serem olhados, mas não a se interessar por quem olha ou, no que olham. Se não conheceram o vínculo, não formarão vínculos no futuro, se não foram objetos de amor, não serão sujeitos de amar. Quem foi amado, aprendeu antes de tudo saber quem é, e as razões por que é amado; é esse saber-se amado que nos capacita a amar, a querer amar, a querer transmitir a outrem e no mundo, o amor que se sente e é capaz de dar.
Gentes vazias de amor, não podem amar, ou sofrem com a possibilidade do amor. Gentes que desconhecem o vínculo terão muita dificuldade em relações duradouras, ainda que não impossível.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Classe média alta de Rio Preto no tráfico de drogas

Cocaína e ecstasy rolam solto na alta rodaAllan de Abreu Diário da Região Arte sobre fotos/Adriana CarvalhoMédicos são acusados de induzir o consumo de cocaína e ecstasy em festas raveFestas caras com música eletrônica e bebida à vontade durante dois ou três dias seguidos, promovidas por jovens de classe média-alta de Rio Preto, se tornaram cenário para o consumo de drogas, principalmente ecstasy e cocaína. A constatação vem de processo judicial em que os médicos Oscar Victor Rollemberg Hansen, 31 anos, e Ivan Rollemberg, 25, primos, são acusados pelo Ministério Público de induzir o consumo de entorpecentes nesse tipo de evento.

Oscarzinho e Ivanzinho, como são conhecidos, organizam há seis anos a festa eletrônica La Locomotive. A última será neste fim de semana, em Rio Preto. Cada festa chega a reunir de 3 mil a 4 mil pessoas. Segundo a denúncia do Ministério Público, os primos “integram um circuito de festas de elevado padrão social e seus frequentadores, em especial os participa…