Redes Sociais conectam ideias e visões de mundo

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Depois da Lava Jato, a frustração

Luciano Alvarenga

O Brasil está sempre correndo atrás de uma saída miraculosa pra sua eterna condição de pais atrasado. Os exemplos são inúmeros, o golpe da República foi um dos mais emblemáticos. A Nova República, de 1985, foi outra. Agora, mais humilde, aferra-se à Lava Jato, e a levanta como símbolo do Brasil novo; a ideia contida nela, é que a corrupção é o câncer que nos atrasa.
De repente, um sentimento que a Lava Jato é o batismo que nos fará renascer, criou um sentimento nacional em seu apoio. Uns cansados de tanta esculhambação, outros por imaginar que o problema realmente é esse, e todos convictos de que nada pode impedir a Lava Jato de seguir seu curso adstringente da nação.
Enquanto tentamos nos convencer de que é isso mesmo, o país está afundado na maior crise política e econômica que podemos nos lembrar. A Lava Jato paralisou o país completamente. A cada dia que passa mais um é preso, mais uma delação se anuncia, mais um escândalo gigantesco se avizinha. Os porões do poder político-econômico vão pouco a pouco sendo vasculhados; e o mau cheiro sobe a superfície, e as condições mínimas pra que a vida siga seu curso, ficam mais e mais, longe.
Eleita a corrupção como nosso maior problema, nada pode nos impedir, ou impedir a Lava Jato, de fazer o que precisa ser feito. A expectativa de que na semana seguinte ao término da operação, com seus maiores bandidos presos, especialmente Lula, Temer, e tutti quanti, iremos nos encontrar com o arco íris de um novo país, é o que tem permitido que a sociedade aguente o repuxo da imensa crise em que estamos.
Não passa pela cabeça de quase ninguém, que a corrupção não é a causa dos nossos problemas, mas apenas uma das consequências. A inexistência de um projeto de país, de uma elite pensante, de uma classe econômica independente, de homens e mulheres de caráter a nos guiar, de entendimento do caráter histórico do Brasil como grande nação, o desconhecimento completo do nosso passado, e o que realmente fomos (difundido por historiadores e intelectuais desonestos e partidariamente vinculados), o eterno cacoete de copiarmos o que tem de pior no mundo, e de renegarmos o que há de melhor nele, tudo isso é que explica nosso atraso; não a corrupção.
A corrupção é apenas a difusão na cultura popular, de que nada é possível nesse país se não for se “dando bem”. A corrupção em larga escala, como estamos vendo, é apenas a expressão de um país, entregue a sanha dos que podem roubá-lo em grande monta. A corrupção expressa o fato, de que somos um país entregue a pirataria, a delinquência, a roubalheira, o achaque, a propina, por que somos um país sem projeto, sem destino, e especialmente, por que não formamos os grupos dirigentes e a cultura necessária, para que o defendam. Diga-se de passagem, que essa sina, teve seu inicio com a independência. Ou, quando a ideia de um Brasil assaltado por um grupo de delinquentes históricos, teve seu inicio (sobre isso pesquisar Tito Livio Ferreira, https://www.imub.org/loja/produto/o-brasil-nao-foi-colonia-tito-livio-ferreira-organizacao-e-notas-de-loryel-rocha-ebook/
 O desespero em se apegar a Lava Jato como saída desesperada aos nossos problemas, é apenas mais uma vez, não olharmos pro que somos realmente e, qual a raiz da falência em que estamos. O desespero pela saída é tanto, falido agora o projeto criminoso de poder da esquerda, que mais uma vez estamos entregues a possibilidade concreta de uma frustração sem paralelo, ao termino da Lava Jato. Depois de presos os líderes e os liderados de todo o bando que assaltou o país nos últimos anos, de livros e reportagens, e filminhos sobre a Lava Jato, veremos que estamos entregues, à mesma situação, vivendo da mesma forma, tal qual estamos desde sempre.
A nação com cara de uéh, ficará se perguntado a razão de tudo isso, pior, com ainda mais descrédito, desconfiança e apatia em relação ao país.
Fosse isso apenas, não seria ruim, por que ao fim, veríamos presa a quadrilha de assaltantes maiores do nosso Brasil. Ocorre, que enquanto a Lava Jato se firma, se concretiza e realiza seu intento, é o Brasil real, das pessoas comuns, de trabalhadores, famílias, gerações interias que estão a pagar o preço real, de uma operação, que ainda que obtenha o máximo de sucesso, nada tem ela a ver, com o Brasil real e suas necessidades.
O que quero dizer, é que o Brasil pagará um alto custo por essa operação, o frangalho da economia e o estado letárgico da classe política, ruim em qualquer tempo ou lugar, nada mudarão com o fim da Lava Jato. A lava jato é o Brasil imaginando que se refundará, coisa que não acredito, por que prendeu algumas dúzias de ladrões, ainda que dos grandes. O Brasil está parecendo uma família morando numa casa muito ruim e, por isso, atormentada, e que passa a acreditar que a reforma da varanda, possa mudar toda a casa.
Toda a energia, toda vontade, todo esforço está sendo direcionado numa direção, que não é a saída. O problema do Brasil, como vira e mexe, nos lembra Loryel Rocha, é a República. Os grandes ladrões de agora, já estão rapidamente sendo substituídos por novos, ansiosos em ocupar o lugar dos que estão sendo presos.
Nada, absolutamente nada, está sendo discutido, tratado em termos de reformas, mudanças, outras direções, pra além da Lava Jato. Nem mesmo as pessoas necessárias pra isso, existem, afora uns cá outros acolá.
Nosso problema é civilizacional. Luciano Alvarenga







Nenhum comentário: