Pular para o conteúdo principal

Conservadores desesperados

Luciano Alvarenga

Depois de quarenta anos de lavagem cerebral, feita pela esquerda, dia e noite nesse país, nos encontramos hoje com a realidade, nos tornamos uns descerebrados.
Ao mesmo tempo em que o processo de lavagem acontecia, nos fazendo apagar todos os séculos de aprendizados, cultura e comportamentos consolidados pelo uso, a esquerda se vendia como a única saída pro país que éramos. Agora, que o engodo está explícito, a mentira perdeu o pudor de se esconder, e nos damos conta do que nos tornamos, o desespero se espraia de alto a baixo, e estamos como manada estourada, cada um gritando mais alto, querendo ser ouvido, apontando a saída, como se saída houvesse.
De repente, as pessoas imaginam que denunciar o terremoto, fosse impedi-lo de acontecer. O estrago já está feito, o terremoto já aconteceu, e o que estamos vivendo é apenas o contato com sua realidade; destruição geral, generalizada.
A corrupção de valores, a destruição da educação, a desestruturação das famílias, o fim da alta cultura, o esmagamento do bom senso popular, a religião transformada num supermercado da fé, a grosseria e mau gosto como norma de comportamento, a feiura implantada em todas as áreas e aspectos da vida, a promiscuidade elevada a símbolo de liberdade e felicidade; tudo isso é resultado desses últimos quarentas anos, no mínimo.
Perceber isso, agora, não faz essa realidade transformar-se como num passe de mágica. Assim como a esquerda levou décadas pra realizar o seu projeto de destruição da nação, reconstruí-lo, levará igualmente outras muitas décadas.  O estrago, a terra arrasada é um fato. Não pode ser mudado naquilo que é, mas impõe que a reconstrução comece.
Fundamental nesse momento é a prudência, lançar-se desesperadamente contra o inimigo, agora completamente reconhecido, é tão infrutífero quanto inútil. Alçar nomes, sejam esses, ou, aqueles, imaginando que ocupação dessa ou daquela cadeira de poder, mudará alguma coisa, é estupidez; aliás, ajuda o inimigo a manter o jogo no campo que lhe é favorável, o da disputa pura e simples do poder político eletivo.
O poder político é o último degrau, de um poder que se baseia no quanto está firmado nas bases da sociedade. Como sempre nos diz e, nos lembra Olavo de Carvalho, ocupar as igrejas, as universidades, as editoras, a imprensa e os jornais, as escolas, os sindicatos, as ONGs, e tudo o mais que seja expressão da sociedade na sua vida cotidiana, é mais fundamental que eleger um presidente, que cairá tão logo seja eleito. E ainda que não caia, certamente nada conseguirá fazer.  Collor caiu, não por causa de nenhuma das coisas que fez, caiu por que não tinha sustentação social, portanto, poder.
Desesperar-se em tampar os buracos no telhado, durante a chuva, quando o problema são os pilares que sustentam a casa, é agir de forma inocente e estúpida. O Brasil é um problema de longo prazo. Sua reconstrução é de baixo pra cima. Isso é o que podemos fazer, e a única coisa que poderá transformar a realidade em que estamos.
Por isso, perdemos uma ótima oportunidade em 2013, e em 2015, nos grandes e importantes manifestos de rua que produzimos, ali, poderia ter acontecido o inicio de maneira contundente dessa transformação; da mesma maneira que as diretas já, foram pra esquerda um momento catalisador do seu projeto. Assim como as diretas já, não foram a implantação do projeto da esquerda, mas um importante momento na sua execução, os movimentos massivos de 2013 e 2015, sequestrados por oportunistas e gente desesperada, perdeu-se como um momento histórico de retomada conservadora.
A primeira coisa que precisamos ter na cabeça, é entender o que está acontecendo e seus significados profundos, e com isso, caminhar em nome das mudanças. Luciano Alvarenga







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…