Pular para o conteúdo principal

Vitão e a Oposição

Luciano Alvarenga


Nada como algumas semanas em Paraibuna pra se inteirar das coisas. Vitão montou uma equipe de primeiro escalão, que conta com alguns dos melhores nomes disponíveis na cidade. Até nomes antes na administração do Loureiro, compõem a equipe. Evitando panelinhas, o prefeito dá mostras que vai trabalhar pela cidade mais que pelos seus amigos.
A cidade tem muitos problemas, mas todos passíveis de serem resolvidos. Acabar com a farra das gratificações, foi um sinal claro de que o prefeito está mais preocupado com a cidade do que com a sua aprovação. Essas gratificações, que antes serviam como moeda de troca eleitoral, agora, espera-se, serão dadas apenas e tão somente àqueles que fizerem por merecê-las. O problema de caixa da prefeitura será uma oportunidade pra sanear costumes e moralizar a máquina municipal.
O Vitão sabe que precisa fazer uma administração mais que boa; acredito que fará, ao contrário, cairá no esquecimento, e não será mais que um nome entre tantos. Contando com contatos e a aproximação que construiu com políticos no centro do poder paulista, terá oportunidade de virar a página em Paraibuna.
A cidade tem alguns problemas simples, mas que irritam a população; as estradas rurais são um exemplo. O pessoal que cuida desse trabalho, não o faz como deveria. Arrumar as estradas se transformou em “passar a máquina”, que nada resolve. A estrada do Comércio, que usei nessas semanas, é uma evidência; está pior agora, depois que arrumaram, do que antes; a coisa toda é feita com muito desleixo.
O Ronaldo Fonseca teve a “ótima” ideia de “fazer” um campo ao lado da escola municipal do Comércio; como o tal campo não saiu da terraplanagem, agora toda a terra solta no “campo” desce pela estrada do bairro, infernizando as pessoas que lá moram, seja com mais barro ainda quando chove, seja com poeira quando faz sol. Uma solução: o prefeito deveria aproveitar a terraplanagem do campo, e fazer um estacionamento pros professores e pros ônibus de estudantes que lá todos os dias estão; um estacionamento com galpão pra acomodar os motoristas naquele local, economizando combustível, e evitando viagens desnecessárias.
O Vitão precisa de pelo menos um ano pra mostrar a que veio. Até lá, é acompanhar e ver o que acontecerá.
A Oposição.
João Batista tem dito, à boca pequena, que será candidato a prefeito novamente. Interessante que quando perdeu a primeira vez pro Barros, levou quatro anos pra assumir que seria candidato contra o Vitão; isso explica um pouco a sua derrota. A Oposição tem um problema, não sabe fazer política.
É incrível que a Oposição tenha perdido a reeleição pro Barros, quando o Loureiro tinha feito uma boa administração. E é mais incrível ainda, que diante da péssima administração do Barros, a oposição não tenha colado no Vitão a culpa pelo desempenho sofrível do prefeito anterior. Se o João Batista tivesse feito quatro anos de oposição ao Barros, vinculando seu fracasso ao seu vice, o Vitão teria tido mais dificuldade ainda pra ganhar, se é que ganharia.
Acreditar que o João Batista consiga algum sucesso agora contra o Vitão, quando esse certamente fará de tudo pra realizar uma ótima administração, evidencia a falta de time da oposição e do João Batista em particular.
Dentro da oposição, quem conseguiu aparecer, mais do que se podia imaginar, é o vereador Marcelo. Fazendo o tipo “bate a arrebenta”, ao mesmo tempo em que angaria votos (pelo menos por enquanto), desperta a repulsa de parte significativamente importante da cidade. Transformando sua página na internet, num mural de xingamento e desrespeito, contra todos e qualquer um, o fato é que esse vereador está com o prazo de validade vencido. Isso porque o tempo é de falar menos e fazer mais; e trabalhar, propor soluções, fazer projetos que transformem Paraibuna é coisa que aquele vereador não tem muita vontade nem condições de fazer.
De qualquer maneira, me parece que aquele vereador, já vem percebendo que a receita “bate e arrebenta” não lhe trará mais os benefícios outrora conseguidos. O tal vereador vem ensaiando, com alguma dificuldade, um personagem mais domesticado; na tentativa de se tornar mais palatável ao gosto da oposição; que certamente descarregou votos nele pra que faça o tipo leão de xácara, que ele desempenha muito bem. Mas uma coisa é a oposição votar nele pra vereador, outra, é o ensaio que esse vereador já faz, no sentido de se transformar numa opção como vice na próxima eleição. Isso é o que ele já dá mostras de querer. Será um desafio deixar de ser o que é e lhe deu votos, e se transformar em algo que não é, no intuito de ser indicado a vice.
A oposição tem muita dificuldade de construir um projeto político de médio prazo. E isso lhe custa caro, têm custado derrotas seguidas. Se o Vitão conseguir êxito em seu mandato, se reelegerá; se a reeleição acabar, como parece que irá acontecer, o Vitão certamente elegerá seu sucessor. A julgar pelo andar da carruagem, será uma sucessora. Helô não esconde de mais ninguém, que com o fim da reeleição, será candidata. A oposição caminha pra ficar mais de vinte anos fora da prefeitura, claro que por méritos próprios.

Luciano Alvarenga. 18.01.2017

Comentários

Anônimo disse…
Ou seja, nada vai mudar. Paraibuna sempre uma bosta. Enchendo o cu de dinheiro dos politicos.
Este comentário foi removido pelo autor.

Boa tarde Grande Luciano!

Gostei muito desse artigo, já faz alguns anos que sai também da terrinha, mas meu amor por Paraibuna continua o mesmo! Deposito muita confiança no atual governo do Vitão! Acredito que ele fará muita coisa boa pela nossa cidade e para os munícipes. Que assim seja! Forte abraço!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…