Pular para o conteúdo principal

PT pós Dilma

Luciano Alvarenga

Com o fim do governo Dilma, que vai caindo na mesma velocidade em que o processo de impeachment avança na Câmara Federal, a grande questão que emerge é: e o PT? O que será de um PT sem Lula, sem Zé Dirceu, sem seus grandes quadros, sem seus intelectuais, sem prefeituras pra militância, sem a presidência da República e o poder sem fim que dela emana?
O primeiro PT que virá à tona é o PT ressentido, rancoroso, violento; o PT da negação. O PT que não aceita que é ainda pior que todos os outros partidos. Esse PT será o PT despeitado, jogará pedra em tudo e todos, uma espécie de velho messiânico louco, que ninguém mais ouve, e que mais grita quanto menos é escutado. Depois de ter chamado ao ódio “nós contra eles”, se verá, então, destituído, fraco, clamando no deserto, verdades, que o país inteiro, quero dizer, os sãos, sabem serem mentiras. Esse PT ressentido irá procurar cada erro, cada corrupção, cada nome suspeito, e dizer, “não era o que vocês queriam?”. Esse PT irá berrar a beira da estrada, enquanto a caravana passa.
Num segundo momento, depois de alguns meses, vem a raiva, uma raiva profunda. O PT e seus petistas, diante da perda consumada completamente, serão tomados pela raiva contra si mesmos. “Como pudemos jogar tudo fora; como pudemos estar tão perto da revolução e nos deixarmos corromper pelos milhões da Petrobrás”. Como isso e aquilo, e tudo na verdade pra explicarem pra si mesmos que na verdade o que fizeram e o que fariam sempre, e sempre farão é o que já está registrado na história. O ódio contra os outros dará lugar a raiva contra si mesmos. Nesse momento a perspectiva de poder é algo longínquo e fora de lugar.
Cansados de sentir raiva de si mesmos, esgotados de longuíssimos solilóquios, e já há muito tempo afastados do poder, a bruma da depressão irá baixar lentamente, mas pesada e densa. A realidade da perda do poder cede passo a constatação de que a perda maior ainda é a perda da credibilidade, a perda do estandarte moral, a perda de si mesmos como agentes de qualquer coisa. Um vazio profundo e inescrutável toma conta. Antigas verdades, reveladas mentiras e falsidades, esvaem-se. O buraco aumenta. A sensação de nada ocupa todo o espaço. Sem cartilha nem catequese, sobra a vida como ela é.
Depois de tudo isso, vem à aceitação, uns menos outros mais, uns abertamente, outros envergonhados, de que o que aconteceu é tudo verdade. De que o PT foi uma fé cega baseada em nada além de discursos, nada além da crença, montada num homem cheio de talentos, mas sem verdade. A aceitação de que a esquerda nada mais é que as forças anticivilizacionais, que emergem de tempos em tempos nos mais diferentes lugares, promovendo a barbárie e o caos.

Redimidos pela consciência, petistas de todas as cores irão lembrar disso com tranquilidade, enquanto novas levas obscurantistas irão iniciar sua pregação de um novo mundo possível contra a realidade da civilização. Luciano Alvarenga

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…