Pular para o conteúdo principal

Crise não é o fim, é o início


Luciano Alvarenga

Viver as crises que nos arrebatam ao longo da vida é preparar-se para viver melhor. 
A crise nos dá outros olhos, olhos novos, com o que passamos a ver o que antes nem imaginávamos. Não é à toa que hoje a maioria sofre de triste cegueira, continuam enxergando com os olhos de uma idade anterior, não os trocaram durante as muitas crises que não quis viver. As crianças enxergam bem porque sabem trocar de olhos a cada dia e experiência que absorvem, por isso sofrem, e regateiam, mas não desistem e, por isso sempre nos surpreendem.
Ocorre que com o tempo, passamos a não mais querer viver as crises, nós a evitamos o mais que podemos, não a aceitamos. Negamos nossos novos olhos, preferimos a comodidade do antigo. Não é fácil ver com outros olhos. Isto nos exige capacidade de mudar, de nos permitir as rugas que um novo olhar desenha. 
Mudar de olhos é mudar a visão, é quebrar as próprias certezas. A cada olhos que trocamos voltamos ao primeiro ano da escola, mas voltamos mais maduros. Mas quem é que tem coragem de voltar ao primeiro ano. Quem consegue assumir que olha com outros olhos o que antes firmou como imutável? 
Nos acostumamos com as certezas que antigos olhos nos deram, sem saber que eram olhos de outro eu que já se foi. Entristece encontrar pessoas que, desapercebidas de seus olhos, tomam como verdadeiras o que são toscas sombras do real. São pessoas que não são mais o que pensam que são, olham com os olhos embaçados que não trocou pelos novos que as crises sempre dão. Continuam afirmando aquilo que os antigos olhos lhe disseram - vivem a vida olhando pelo retrovisor, imaginando ver o horizonte.
Por isto muitos estão vendo, más não enxergando. Sua visão está embaçada pelos anos de uso, e por isso enxergam menos, não olham com os olhos da alma, olhos refinados e de alcance longínquo. Percebem, mas não distinguem, intuem, mas não concluem.
Os olhos que as crises e tristezas nos dão, esses olhos esculpidos na dor das perdas, dos sofrimentos, das vontades insatisfeitas, dos sonhos que nos obrigamos a mudar, são olhos de lince. Estes olhos não nos largam desprotegidos, nos permitem com sua musculatura desenvolvida e aguçada que, enxerguemos as razões que nos confortam, os sentimentos que nos amparam, a verdade e os verdadeiros que nos abraçam.
Devíamos nos alegrar com as crises que nos avizinham. As crises são as trombetas a anunciar uma nova fase, um novo tempo, um novo "eu". Devíamos celebrar as crises, darmos uma festa e dizer: “Estou entrando em crise, ficarei recluso e distante, preciso fazer o percurso que essa nova crise me exige; mas voltarei, e voltarei melhor e maduro e, tão diferente, e tão bonito, que não vejo a hora de partir”.
Que bom seria se em vez de a crise que toma conta dos nossos entes e amigos, ao contrário de querermos resolvê-la, passássemos a incentivá-la. Devíamos preparar o ambiente cada vez que alguém dos nossos entra em crise. Permitir-lhe que faça sua viagem interior em paz, não aborrecê-lo com nossas vis vontades, nossas pueris necessidades de vermos todo mundo constantemente bem, quando na verdade, ficam cada vez pior.
As crises são nossas trocas de plumagem. Na crise renascemos, saímos dos círculos infernais com força inabalável. Quem experimentou uma crise, dessas que nos jogam de peito ao chão, sabe da força com que se renasce. O sol brilha com tanto brilho e intensidade, e de tal forma enchemos os pulmões com o calor do novo dia, que durante anos vivemos as experiências e lembranças dessas que, são as viagens realmente profundas.
Crise não é o fim, é o início, mude a alma, não o guarda-roupa.



Comentários

Lucas disse…
Luciano, aqui é o Lucas, que mora em São Paulo (mas é de São José dos Campos). O cara que enfim tomou coragem de ir dar aulas depois de ver o seu vídeo "O que fazer depois da faculdade". Estou numa fase meio chata, porém mais uma vez suas falas e escritos vêm em minha ajuda. É alentador esse seu texto. Sempre visito seu blog pois você é um cara muito construtivo, mesmo quando crítico. Suas opiniões me são muito edificantes. Abraço!

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…