Pular para o conteúdo principal

Sobre o silêncio dos políticos

Luciano Alvarenga 



Sobre o silêncio dos políticos
Há uns 15 anos atrás, em qualquer cidade brasileira, estaríamos nesse momento vivendo uma intensa movimentação política, com reuniões, conversas com lideranças de bairro, possíveis candidatos a vereador, visualizando possíveis coligações, possíveis e prováveis chapas, muitas conversas, mudanças de partidos, filiações, enfim, fazendo política, isto é, conversando.
Não há nada disso acontecendo. Absolutamente nada. Nem nas cidades pequenas onde a política costuma ser aguerrida e tradicional, também mais nada vemos; nenhuma movimentação, estão todas mortas politicamente.
É fácil de explicar. O dinheiro dominou tudo completamente. Por que fazer política e se jogar num jogo de conversas e convencimentos, se os partidos, os futuros candidatos majoritários podem comprar, seja lá quem for ou, o que precisar, no momento certo da campanha?
A crise política nacional é a expressão em latitudes maiores de uma crise que abarca tudo, da cidade pequena do interior até Brasília.
Chama a atenção isso porque a eleição está divorciada da realidade. Se pegarmos o caso das cidades, tenham que tamanho tiverem, perceberemos que suas populações estão nesse exato momento discutindo problemas, reclamando dos serviços, das obras mal feitas, de outras que nem deveriam estar sendo feitas, de candidatos que nunca aparecem nem nada falam sobre qualquer coisa que seja.
Isto é, as pessoas comuns estão envoltas com seus problemas cotidianos e que são os problemas que o mundo político deveria estar interessado, mas o que vemos é o mais completo desinteresse. Um ano e meio antes da eleição, e o que vigora é o mais completo silêncio.

Ano que vem votaremos no escuro ou, em nomes que imaginamos, seja lá por que razão, que eles serão bons nomes pra serem votados. A eleição virou exercício de futurologia. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Classe média alta de Rio Preto no tráfico de drogas

Cocaína e ecstasy rolam solto na alta rodaAllan de Abreu Diário da Região Arte sobre fotos/Adriana CarvalhoMédicos são acusados de induzir o consumo de cocaína e ecstasy em festas raveFestas caras com música eletrônica e bebida à vontade durante dois ou três dias seguidos, promovidas por jovens de classe média-alta de Rio Preto, se tornaram cenário para o consumo de drogas, principalmente ecstasy e cocaína. A constatação vem de processo judicial em que os médicos Oscar Victor Rollemberg Hansen, 31 anos, e Ivan Rollemberg, 25, primos, são acusados pelo Ministério Público de induzir o consumo de entorpecentes nesse tipo de evento.

Oscarzinho e Ivanzinho, como são conhecidos, organizam há seis anos a festa eletrônica La Locomotive. A última será neste fim de semana, em Rio Preto. Cada festa chega a reunir de 3 mil a 4 mil pessoas. Segundo a denúncia do Ministério Público, os primos “integram um circuito de festas de elevado padrão social e seus frequentadores, em especial os participa…