Pular para o conteúdo principal

Educação: Japão e Brasil

Luciano Alvarenga

Assisti ha algum tempo uma reportagem de uma creche no Japão. Crianças de 3, 4, 5 anos. Na hora do intervalo, duas crianças vão até a cozinha, trazem pra sala de aula o caldeirão de sopa empurrando num carrinho. As duas crianças vão servindo as outras que vem até o carrinho uma a uma por fila. Depois que todos comem, as crianças vão até a cozinha cada uma lava o recipiente onde comeu.
Aqui, segundo uma outra reportagem de alguns anos atrás exibida no fantástico, os pais estão pagando um salário mensal aos filhos pra que façam pequenos serviços domésticos, como não deixar seus sapatos espalhados pela casa, ou lavar os pratos e copos quando usam. No Japão educa-se pra que as crianças sejam responsáveis e adultos maduros e cientes do seu papel.  Aqui não há educação, há corrupção de menor. Pagar pro filho fazer o que deve ser sua obrigação é corrupção.
Nessa mesma toada que prefeituras como Rio Preto e Campinas, e muitas outras, talvez todas, dão meia, sapato, calça, camiseta, blusa, mochila, caderno, lápis, livro, caneta, borracha pra crianças irem pra escola. Ahhh!! Aprovação é automática. A criança só precisa ir lá na escola. Não tem nenhuma obrigação, nenhuma exigência, nadica de nada. Qualquer coisa que façam está de ótimo tamanho.
Deve ser por isso que os empresários e comerciantes em Rio Preto estão tendo que pagar uma quantia a mais no salário dos empregados (parece que 50,00 reais), pra que eles não cheguem atrasados no emprego, estejam vestidos de maneira decente e façam o que é sua obrigação.

Deu pra entender a diferença entre um lugar e outro, entre uma educação e outra, e suas consequências.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…