Pular para o conteúdo principal

O lixo e a justiça do Trabalho em Rio Preto

Luciano Alvarenga

O ministério do trabalho e o ministério público do trabalho resolveram dar solução pra problemas que não existem. Suspenderam a coleta de lixo em Rio Preto e mais 6 cidades da região por que as condições de trabalho dos coletores de lixo são precárias.
Em primeiro lugar, o tal poder público paralisou a coleta de lixo deixando milhares de cidadãos no meio do lixão. Ao invés de fazer uma discussão prévia com empresa, prefeitura e sindicato sobre a questão, não, tacaram a caneta e deixaram 7 cidades da região afundando no lixo, isso por que estamos em meio uma epidemia de dengue. No mínimo irresponsabilidade.
Em segundo, é a própria realidade endógena desse tipo de trabalho. Catar lixo demanda colocar a mão no lixo. Catar lixo na cidade toda, demanda correr por suas ruas. Todos que assistimos esse trabalho pela cidade, percebemos que é feito com qualidade e eficiência. O caminhão pára, os rapazes coletam o lixo e seguem caminho.
Segundo o ministério do trabalho, os rapazes não podem ficar dependurado nos estribos do caminhão. Ora, os bombeiros em situação de emergência ficam dependurados onde? Os policiais em ação de grande porte e que envolvem muitos soldados ficam onde?
Os policiais da cavalaria da policia do Estado, ficam com os pés onde, senão em estribos?
A empresa precisa lavar as roupas dos trabalhadores. Ora, o Estado de São Paulo por acaso lava as roupas dos seus policiais? Os corpo de bombeiro lava as roupas de seus trabalhadores? A usina Guarani lava a roupa dos cortadores de cana? É brincadeira!!!
Eles não tem lugar apropriado pra comer. Esse pode ser ou não um problema. Isso por que a própria característica desse trabalho impede uma maneira ideal pra fazer refeição. Os coletores de lixo estão sei lá onde trabalhando, chega a hora do almoço, o que fazer? Deslocá-los todos até a sede da empresa, que pode estar a quilômetros dali?
A justiça brasileira funciona contra a sociedade e a favor de suas ideologias. Pra ela pouco importa a sociedade, as pessoas, o que importa é o que ela enxerga como ideal de vida. Ela não olha pra realidade das coisas como elas são. A Consequencia é um amontoado de leis, burocracias, que não terminam em nada e complicam tudo.






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Classe média alta de Rio Preto no tráfico de drogas

Cocaína e ecstasy rolam solto na alta rodaAllan de Abreu Diário da Região Arte sobre fotos/Adriana CarvalhoMédicos são acusados de induzir o consumo de cocaína e ecstasy em festas raveFestas caras com música eletrônica e bebida à vontade durante dois ou três dias seguidos, promovidas por jovens de classe média-alta de Rio Preto, se tornaram cenário para o consumo de drogas, principalmente ecstasy e cocaína. A constatação vem de processo judicial em que os médicos Oscar Victor Rollemberg Hansen, 31 anos, e Ivan Rollemberg, 25, primos, são acusados pelo Ministério Público de induzir o consumo de entorpecentes nesse tipo de evento.

Oscarzinho e Ivanzinho, como são conhecidos, organizam há seis anos a festa eletrônica La Locomotive. A última será neste fim de semana, em Rio Preto. Cada festa chega a reunir de 3 mil a 4 mil pessoas. Segundo a denúncia do Ministério Público, os primos “integram um circuito de festas de elevado padrão social e seus frequentadores, em especial os participa…