Redes Sociais conectam ideias e visões de mundo

quinta-feira, 26 de março de 2015

Greve dos professores de São Paulo

Luciano Alvarenga
Os professores estaduais entraram em greve novamente. A frente dos professores está a APEOSP, o sindicato dos professores. Me lembro dessas greves desde que eu mesmo era aluno de escola pública estadual na minha terrinha de Paraibuna.
Motivos pros professores entrarem em greve não faltam. Educação no Brasil não é prioridade de ninguém. Ninguém estuda nesse país, nem quem deveria estudar. No Brasil conhecimento e saber é puro ornamento. Bom mesmo é dinheiro.
Em 2013 os professores estavam em greve, a participação deles era muito grande, era uma das mais fortes greves dos últimos anos. De repente, sem consultar ninguém, a APEOSP, em maio de 2013, sumariamente cancelou a greve, mandou os professores voltarem pras escolas.
Os professores ficaram revoltados no Estado inteiro. Semanas depois começava os manifestos de junho de 2013.
E a verdade vinha à tona. A APEOSP cancelou a greve por que a greve dos professores do estado estava queimando o filme, e derrubando a aceitação do prefeito de São Paulo recém eleito, Fernando Haddad.
Há décadas que a APEOSP é linha auxiliar do PT, o negócio dela não é escola nem professor, muito menos educação, o negócio dela é política, manipulação da massa de quase 200 mil professores do Estado.

Estão em greve hoje por uma única razão. Desgastar o governo do Estado do PSDB pra equilibrar um pouco a profunda crise que se abate sobre o governo Federal do PT. Essa greve é isso. Essa greve é a disputa política do PT e do PSDB.

Nenhum comentário: