Pular para o conteúdo principal

É o fim do PT no governo

Luciano Alvarenga


O destino do governo Dilma será traçado nesse domingo dia 15 de marco. Havendo aderência à manifestação numa escala que seja um fato político de dimensões nacionais, o ritual político do impeachment certamente será iniciado.
O PT, que só vem conhecendo oposição de fato nesses meses recentes, não mais que um ano, chama de golpismo e terceiro turno o que na verdade é descontentamento e democracia. Pro PT só é protesto quando é liderado pela CUT, sendo qualquer outro é golpe da burguesia, a elite que odeia o PT.
Aliás, o PT que não economiza em dizer que odeia a classe média, odeia a elite, odeia a oposição, odeia os ricos, odeia qualquer um que não reza sua cartilha, esperneia e grita quando é criticado. Impressiona como não demora pra defensores, interesseiros, do partido em dizer que existe um ódio contra o PT. Doze anos no poder e o PT quer nos convencer que há ódio contra ele.
A campanha da Dilma ficou nas mãos do seu marqueteiro, João Santana, que a pintou como deveria pra que ela fosse comprada pelo eleitorado. Uma vez iniciado seu governo a Dilma de verdade apareceu e, o PT chama de golpismo e terceiro turno o fato da patuleia vir a público denunciar a fraude do produto comprado. A Dilma vendida na eleição não é essa que governa. E é isso que está nas ruas.
O PT sem projeto, por que governa com o projeto da oposição, não aceita o fato de que a população pobre, rica ou de classe média, escancare seu descontentamento nas ruas. Aliás, pro PT, classe média não pode protestar. É golpismo. É pra rir.
A Dilma é o poste que o Lula inventou pra voltar ao poder em quatro anos, mas o poste criou vida e quis mais quatro. Ocorre que poste é poste, e tudo que aí está diz duas coisas:
A primeira é que o projeto do PT está esgotado; querendo intervir em todas as fimbrias da vida cotidiana com sua cartilha politicamente correta fazendo o país ler o mundo a partir da esquerda, intoxicou a nação ao ponto do insuportável. Segundo, o Brasil não é uma marionete que possa ser manipulada o tempo todo, todo o tempo por um poste.

Há um ano disse: se a Dilma ganhar, não governa; se governar o PT sairá destroçado ao final do seu mandato. Parece que a primeira hipótese vai prevalecendo. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…