Pular para o conteúdo principal

Vandalizaram uma Escola em Rio Preto

Luciano Alvarenga

Segundo o Diário da Região, uma escola no bairro Nova Esperança em Rio Preto foi vandalizada e parcialmente destruída por alunos, jovens em geral e sabe-se lá quem. A escola é nova assim como o Bairro que é fruto do projeto minha casa minha vida.
Segundo arquitetos e urbanistas honestos e de boa fé, o projeto minha casa minha vida é uma tragédia do ponto de vista urbanístico. Alinhando centenas, as vezes milhares de casas, muito próximas umas das outras, em lugares isolados e distantes da cidade e de seus múltiplos centros com toda infraestrutura urbana necessária, o que se pode esperar de tais bairros é sua tomada por tudo aquilo que se combate todos os dias, crime, tráfico, criminalidade indistinta e praticada contra tudo e todos. É um projeto que não inclui a população no tecido urbano da cidade, pelo contrário.
Como eu disse a escola foi parcialmente destruída. A questão é: por quê? Quem teria interesse em vandalizar uma escola. Segundo a reportagem o clima na escola era de anarquia e bagunça. Alguém disse que faltava segurança e funcionários na escola. Digamos que seja verdade, isso justifica o ataque contra a escola?
Eu não fui até aquela escola para tentar destruí-la, você que me ouve, foi? Ou seja, quem fez isso?
A questão é a seguinte. Os discursos todos de liberdade, faça o que você quiser, não existe autoridade, a igreja aliena, os pais são autoritários, os jovens são lindos e sabem o que é bom pra eles, motivação é tudo, eu sei o que é bom pra mim, entre tantas outras pusilanimidades, mentiras e enganações ideológicas, trouxeram a sociedade até o ponto onde estamos.
A cultura da rebeldia estúpida e sem sentido. Cultura essa que nasceu da cabeça de intelectuais das ciências humanas nesses últimos 40 anos, chegou na massa juvenil. Intelectuais falando e escrevendo suas ideias sobre o mundo é uma coisa, o problema é quando suas ideias estapafúrdias chegam à massa do povo.
É o que está acontecendo. Destruir, derrubar, anarquizar, bagunçar, revolucionar, desobedecer, fazer o que se quer foram as palavras de ordem nessas últimas décadas. Segundo os arautos dos novos e maravilhosos tempos em que faríamos tudo o que bem entendêssemos, os culpados pela sociedade ser ruim e triste e sem liberdade era a ordem, a religião, a fé, o respeito, obediência, a disciplina e a maturidade. Não creio que sejam esses princípios que sejam responsáveis pela quebradeira da escola.

Chamem os intelectuais moderninhos e políticos progressistas pra resolver a situação.

Comentários

Carla disse…
Perfeito, Luciano. Concordo plenamente contigo no que diz respeito, inclusive ao "Libera Geral" que vivemos atualmente. Queremos formar filhos da Pátria ou Filhos da P...(leia-se Anarquia)?

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…