Pular para o conteúdo principal

O caráter conservador da cultura brasileira

Luciano Alvarenga

O Brasil é um país que se dividiu. O intenso e quente clima político hoje nas ruas, e dia 15 de março vamos ver onde essa coisa toda vai dar, é apenas um lado da coisa toda.
O que está em questão não é apenas a corrupção na Petrobrás, os escândalos políticos, a Dilma que jogou seu governo no buraco, a economia que aponta tempos difíceis pela frente, a inflação que vai corroendo o salário de gente que vive de salário, o divórcio da classe política em relação à sociedade e seus graves problemas, a esquerda que faliu e virou apenas caixa de som berrando, dia sim outro também, contra a corrupção no governo FHC, como se ela não estivesse pra completar dezesseis anos no poder.
Esses são problemas do dia a dia. Uma hora ou outra se resolvem, de um jeito ou de qualquer jeito.
A questão de fundo é mais grave. O que está em jogo é o fato de que o Brasil é um país conservador, tradicional, de caráter religioso, interiorano, que entende a família como o esteio da sociedade e de onde, e apenas ai, é possível consertarmos as coisas. Esse país, conservador e tradicional está sob o ataque sistemático, diário, de forças ditas progressistas, que querem acabar com tudo isso.
Essas forças estão no poder federal a quase vinte anos, com previsão de ficar vinte e quatro anos. Mudando leis, modificando comportamentos, estimulando fracionamentos e divisões, criando todo tipo de ardil no sentido de fazer com o país o que o povo em geral não quer, nunca quis.
Ser de esquerda no Brasil é uma aberração em relação ao que é nossa cultura, ao que ela representa e como se formou. O descontentamento todo difuso sentido pelas pessoas no seu dia a dia, a bagunça, a desobediência, a falta de disciplina, a falta de hierarquia e ordem, o desrespeito generalizado, o fim da infância e a sexualização acelerada de crianças e jovens. Até a maneira como comemos no Brasil é uma evidência da divisão do país. Não há nada, desde uma escola pública e no que elas se transformaram, passando pelas famílias cada vez mais disfuncionais, que não esteja ligado a cultura de esquerda e progressista implantada entre nós desde o período militar.
O Brasil precisa se reencontrar com seu passado com suas grandes virtudes e sabedoria, nossa sociedade não aceita mais o caminho por onde nos empurraram nesses últimos 20 anos.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…