Pular para o conteúdo principal

1968 só podia terminar em pedofilia

Luciano Alvarenga

Segundo a justiça brasileira explodiu na internet o consumo de pornografia infantil e pedofilia. O crescimento é estarrecedor. As facilidades na internet aliada aos novos aparelhos e aplicativos pra telefone celular torna cada vez mais difícil reprimir o crescimento desse tipo de crime.
A decisão da promotoria pública de São Paulo é oferecer palestras nas escolas, e aulas com jovens e outrens sobre pedofilia e pornografia infantil.
É claro que isso não resolve nada, por uma questão muito simples. Quem consome pornografia, seja infantil ou não,  e promove pedofilia, o faz conhecendo muito bem as razões e implicações de tais coisas.
O centro do problema é outro. É a desfiguração do tecido social comunitário, o raquitismo das autoridades e a anemia moral que toma conta da sociedade.
Não é possível termos ao mesmo tempo, um discurso poderoso da publicidade e propaganda e nas mídias, de que todos podem tudo e que tudo é uma questão de escolha pessoal, uma invasão da vida privada pelo Estado definindo obrigações e posturas das famílias, legalizando atitudes e comportamentos frontalmente contrários a tradição nacional, e não termos uma explosão de comportamentos criminosos como pedofilia ou, e outros, como desrespeito a lei, a ordem institucional, e a mais completa desmoralização dos poderes.
Cinquenta tons de cinza é o lado permissivo de uma sociedade que nos seus subterrâneos vem se permitindo coisas muito mais graves e criminosas.
Querer mudar esse estado das coisas com palestras é uma piada. Ou a cultura de rebeldia gratuita e libertinagem tem paradeiro, ou coisas como pedofilia entrarão em breve nos discursos dos deputados progressistas, que defenderão sua prática como forma de integrar as crianças ao mundo adulto.
Aliás, nos estados unidos, congressistas e intelectuais ditos progressistas  já defendem isso.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…