Pular para o conteúdo principal

Praça Cívica – minha opinião


Certa vez, num outro texto, há alguns anos, eu disse que Rio Preto era uma ótima cidade... do século XX, mas que ainda lhe faltava muito pra ser uma ótima cidade do século XXI.
A recente discussão sobre a construção de um terminal urbano na Praça Cívica, ao lado da biblioteca municipal, é um excelente exemplo a respeito de como Rio Preto ainda está distante de ser uma cidade contemporânea, atual e sustentável.
Em primeiro lugar, mencione-se a maneira autoritária e unilateral com que a prefeitura encaminha a realização dos seus intentos. Para o executivo municipal não interessa argumentos técnicos de arquitetos e urbanistas, leis, nem projetos anteriormente aprovados, e que digam que ali não pode, nem deve haver um terminal urbano; dado o fato de que toda a Praça Cívica é parte de um complexo maior chamado Parque Setorial (esse sim, um projeto ousado, inovador e que destacaria a cidade no contexto das cidades mais modernas do mundo, que envolve Parque da Represa e Parque Linear da Filadelfo,) e, que já indica com clareza o que ali deve ser feito. Aos olhos do prefeito, isso não interessa.
Em segundo lugar, o fato de que já existe um terminal urbano no centro da cidade (rodoviária velha) e que pode atender de maneira satisfatória a demanda da população que usa o centro de Rio Preto. Sim, por que se imaginarmos que na verdade o que a cidade precisa é de uma NOVA rodoviária, fora do centro, mais moderna, mais ampla, em uma areia que faça jus a ótima localização regional de Rio Preto, perceberemos que um terminal urbano na Praça Cívica vai condenar nossa cidade a jamais ter um NOVA rodoviária em local mais apropriado.
Em terceiro lugar, o argumento de que a Praça Cívica é subutilizada e ocupada por marginais e moradores de rua, não é um argumento, é um não fato. Isso por que o que está em questão não é o que a Praça é, mas o que ela PRECISA SER pra que Rio Preto possa ter seus melhores espaços urbanos ocupados da melhor maneira possível.
O que está em questão, então, é o fato de que interesses que não conseguem se justificar tecnicamente, no sentido alto da palavra, interesses que visam construir aleatoriamente, ao invés de projetar, elaborar se impõem pela força e, empurram goela abaixo da população uma Rio Preto do século XX, ainda que estejamos em 2015 necessitados de projetos e planos que nos alcem século a dentro.
A vitória da construção de um terminal urbano na Praça Cívica é a vitória de interesses econômicos, imediatos e menores e, portanto, é a cidade século XX se impondo sobre aquilo que é preciso que ela seja, uma cidade do século XXI, isto é, altiva, sustentável, ecologicamente rica, equilibrada economicamente, com acento em espaços públicos e transporte coletivo, mais que no privado, que tenha caminhabilidade, seja acessível e bonita.

E uma palavra, Rio Preto não pode aceitar perder um espaço nobre como a Praça Cívica, e tudo o que ela poder ser, em nome de falsas facilidades imediatas. Luciano Alvarenga

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…