Pular para o conteúdo principal

PT quer controle e poder

Luciano Alvarenga
Senadores do PT falam abertamente em regulação das redes sociais. Facebook, twitter, blogs e qualquer outro estaria sob efeito de regulação. Regulação pode ser desde é proibido usar o nome da presidente da republica negativamente até, é proibido qualquer crítica que torne o país fraco. Ou seja, dentro de coisas assim cabe qualquer restrição. Na ditadura, isso de proibir já existia.
O PT acha, a ministra da cultura Marta Suplicy, por exemplo, que Igreja e tradição são os culpados pelo país ser atrasado. Segundo a Marta tem que acabar com a família tradicional.
O senador Humberto Costa do PT disse que precisa regular as redes sociais, por que falaram muito mal da Dilma na eleição. Como se eles do PT não tivessem passado 8 anos gritando fora FHC, e o próprio Lula chamando o ex presidente Itamar Franco de Filho daquilo que você pode entender.
A questão é a seguinte. O PT está com pressa de mudar o país, o problema não é a pressa, é a direção. Ninguém sabe ao certo o que quer o PT.
Quando eles vem e dizem que precisa regular as redes sociais ao mesmo tempo que querem democracia direta naquilo que eles chamam de conselhos populares, o que querem na verdade não é democracia direta, é controle direto.
Todos sabemos, eu sei por que já vi como a coisa funciona. Você acha mesmo que a população tem tempo de ficar deliberando e discutindo e votando e criando leis sobre o destino do lixo no bairro, sobre se o jornal impresso da cidade pode continuar falando dos bandidos do bairro ao lado? Voce acha mesmo que alguém que trabalhou o dia todo, andou mais de uma hora e meia de ônibus pra chegar em casa, vai participar de reuniões que não duram menos de 3 horas pra discutir seja lá o que for?
Se acha mesmo que as pessoas irão participar na medida que precisa, no tempo que é necessário? Ou estes tais conselhos serão todos ocupados por profissionais da política, chamados militantes, essa gente que trata de política o dia todo sem trabalhar uma hora se quer? Já é assim nos sindicatos; ou você não sabe que esse pessoal todo de sindicato vive com gordos salários pra fazerem absolutamente nada, além de costurar politicamente, muitas vezes contra os próprios trabalhadores que eles deveriam representar?
Por que pode conselho popular sem regulação alguma, mas não pode rede social sem regulação. Ou melhor, por que o PT apoia conselho popular sem nenhum tipo de regulação, mas redes sociais na internet eles querem regular, quer dizer, controlar?
Olha, o PT está ansioso, está enfraquecido, a Dilma começa mal o segundo mandato, a economia terá crescimento próximo de zero esse ano, o dinheiro pra bancar os programas sociais não vem se a economia continuar assim, e o que quer o PT, acelerar mudanças que facilitem e aumentem seu poder.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…