Pular para o conteúdo principal

Democracia Oca

Luciano Alvarenga
A “lei da palmada”, que ao invés de resolver o problema do espancamento de crianças, desobriga os pais de reivindicarem autoridade sobre os filhos; a transformação de tudo que constrange em bullying (tudo que não é elogio); assédio moral – que pode ser desde uma ofensa objetiva praticada pelo chefe até um subjetivo pito por algo insistentemente mal feito; a aprovação automática nas escolas; a correção de provas pelos professores que não pode ser feita com caneta vermelha, pois pode ofender o aluno (essa não pegou); o discurso de que todos somos especiais – uma falácia; a glamorização cinematográfica, musical e artística da delinquência e do delinquente; a lei do sucesso: “acredite e será”; culto às vítimas: negros, pobres, mulheres, gays; a judicialização de tudo e, o golpe financeiro do processo por danos morais e materiais; o tabu em torno da correção, do castigo e da punição de crianças, jovens e adolescentes; o desaparecimento da ideia de aluno e aprendiz; a ideia de que todos temos direito, mas sem deveres; incapacidade crônica de distinguir preço e valor; a etnização dos problemas sociais, quando o mundo é cada vez mais miscigenado; mais um sem número de coisas que se transformaram em rotina, vai sedimentando uma cultura no país de gente fraca, mal caráter, maliciosa, interesseira, preguiçosa, ressentida e sem compromisso.
Nunca o golpe da sorte foi tão cultivado e desejado; se não de uma vez, quase sempre aos poucos e a cada dia.
O mundo ideal se transportou das teorias, de uma certa Ciência Social (praticada na pedagogia, psicologia, sociologia e serviço social), para a realidade e, o resultado é o que estamos presenciando, pelo menos aqueles que conseguimos ver o que se passa a nossa volta e, no universo de trabalho onde estamos inseridos: a qualidade profissional deficitária dos formados, daqueles que prestam serviços, das exigências cada vez menores nas provas e testes, na quantidade mínima de vocabulário dos jovens, no desrespeito generalizado que tomou conta das relações no ambiente das cidades onde vivemos, no descaso com velhos e pessoas especiais, o desaparecimento do bom e do bem feito em nome do bonito e barato, a ostentação material em substituição ao caráter, o poder transformado em corrupção, o cinismo social que tudo permite e pratica, tudo isso evidencia o esfacelamento da cultura do respeito, do ético e moral. Esfacelamento feito, promovido e transformado em lei, como quintessência de uma sociedade melhor e mais justa.
Teorias sociais travestidas em leis de “melhor comportamento” que, nestes últimos vinte anos, foram, numa elaboração de engenharia política, inoculadas nas veias da sociedade como expressão de maturidade social e democrática, é na realidade o contrário disso. Trata-se de um processo de acelerada corrosão dos valores sociais, antes expressados em disciplina, respeito, maturidade, compromisso, hierarquia de poder e valores, superação e recompensa e, que hoje são acusados como autoritário e desigual.
Toda a engenharia de novos comportamentos, construída nestas últimas duas décadas no Brasil, é em resumo e, em definitivo o empobrecimento da democracia, se não seu aviltamento, sua transformação na aceitação de tudo e de qualquer coisa como se o diferente pudesse ter algum valor apenas por que é diferente.
Perdeu-se a ideia de que valor está calcado naquilo que representa enquanto valor em si aceito por todos e por todos consubstanciados; é resultado do que fez, faz, transforma e, é reconhecido pela sociedade pela qualidade, sua história, profundidade e capacidade de gerar sinergia social que, diz o que é valor ou, apenas algo passageiro ou, sem importância.
Os defensores, do atual entendimento de democracia, veem valor na diferença, como se ela sem nada fazer, produzir, gerar ou significar em termos de valor social, ainda sim tenha que ser aceita e reconhecida; mais, entendida como a própria definição de democracia, descartando qualquer outra.
Foi assim que a democracia no Brasil transformou-se e se reduziu em alpinismo social descarado, melhoria material de bens de valor duvidoso, e acesso a bens de consumo descartáveis. Que a quantidade de gente enxertada nessa pobre definição de democracia é algo espantoso, não há dúvida. O outro lado disso, entretanto, é que a democracia entre nós é oca. Luciano Alvarenga 







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…