Redes Sociais conectam ideias e visões de mundo

domingo, 18 de maio de 2014

Para sociólogo, protestos contaminam forma de avaliar política

Entrevista com Rudá Ricci -  O Globo

SÉRGIO ROXO (EMAIL)
Publicado:



Manifestante fazem passeata na Rua da Consolação, em São Paulo, contra a Copa do Mundo
Foto: Michel Filho


Manifestante fazem passeata na Rua da Consolação, em São Paulo, contra a Copa do Mundo Michel Filho
Autor do livro “Nas ruas: a outra política que emergiu em junho de 2013”, o sociólogo e cientista político Rudá Ricci tem participado de debates para discutir a onda de manifestações e acredita que os protestos só vão atrair mais público se houver uma derrota precoce na Copa.
Qual sua avaliação sobre os eventos da última quinta-feira?
Tivemos a confluência de três blocos de protestos. Um é o pessoal liderado pelos comitês populares da Copa, que têm como questão central defender os atingidos pelas obras. A eles, se agregam os anarquistas e os meninos de junho. O segundo é composto por organizações do século XX, os sindicatos. O funcionalismo público vem tomando a frente do movimento sindical. Existe uma disputa de outras centrais, ligadas ao PSOL e ao PSTU, com a CUT, que liderava esses sindicatos de funcionalismo público. Por isso, eles (os sindicatos) estão raivosos, com medo das oposições crescerem, e têm radicalizado. E o terceiro bloco são os movimentos sociais dos anos 1980, principalmente o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST).
Quais são os conflitos entre eles?
O MTST faz uma política que não rompe com o campo tradicional. Eles sempre se dirigiram ao Estado, negociaram com governantes e entraram no jogo fazendo uma espécie de mediação, porque os meninos de junho colocaram a culpa em todos os governos. Há uma disputa entre esses dois grupos pela liderança das lutas sociais. Como o MTST faz uma leitura classista, acha que não pode atacar só o governo, que, embora na visão dele não seja uma maravilha, é mais à esquerda. Por isso que, na semana passada, antes dessa manifestação do 15 de maio, que eles já sabiam que iria acontecer, se anteciparam e ocuparam em São Paulo várias sedes de empreiteiras. Foi uma forma de demarcar terreno.
Os sindicatos em greve não se apresentam contra a Copa. Esse grupo tem se aproveitado do momento?
Grande parte das greves tem a ver com uma disputa política no interior do sindicalismo. Quando você faz uma campanha salarial, se tem algum evento que cria constrangimento para seu contratante, você tenta fazer algo próximo, para deixá-lo o mais constrangido possível. No caso dos servidores públicos, quanto mais próximo da Copa, mais o governo vai ficar desesperado. Principalmente porque toda a política do lulismo foi para criar um ambiente de investimento. No governo Lula, tivemos diminuição de ocupações e de greves mais agressivas. Agora, essas greves, justo no momento em que estrangeiros olham para o Brasil, quebram complemente esse ambiente de paz. É uma faca no pescoço do governo.
Como a nova classe média reage aos protestos?
As manifestações estão influenciando a forma como os que ascenderam pelo consumo estão vendo a política. Até então, esse pessoal, que estava recebendo desde Bolsa Família até acesso ao crédito popular, tinha uma postura de indiferença. Desde junho, a impressão é que essas manifestações de rua desmontaram essa postura. Você percebe que a população começa a desconfiar de todo o sistema partidário. Por isso que estamos tendo um recorde de votos brancos, nulos e abstenções (segundo a última pesquisa Datafolha divulgada no dia 9 para presidente, 24% dos eleitores votariam em branco, nulo ou estão indecisos). Não são pessoas que saem às ruas, mas que pensam “esses governos são todos ruins; esses meninos exageram, mas eles estão falando algo que tem fundamento”. Os meninos estão arrastando a opinião pública para uma postura mais cética e mais crítica.
Como fica a situação nessa eleição?
Há um clima que é propício para a liderança carismática. Os candidatos muito identificados com a estrutura partidária estão no bojo dessa crítica e têm pouco espaço. Eles não merecem muita confiança desse eleitor insatisfeito. Os que têm perfil carismático são Lula e Marina. Acho que eles serão as eminências pardas desta eleição. Aécio Neves e Eduardo Campos são dois homens da política partidária, dois caciques, e a Dilma não tem carisma. Se Lula e Marina não entrarem na disputa, pode acontecer de tudo. Uma vitória da Dilma, porque não vão aumentar os votos da oposição e, com grande quantidade de brancos, nulos e abstenções, ela teria baixa legitimidade. Pode ter ainda segundo turno, e Aécio ou Campos vencerem, mas também com baixa legitimidade.
Por que só agora, às vésperas do começo da competição, surgem protestos contra a Copa?
Você não organiza manifestação de rua do dia para a noite. Tem que fazer contato com os atingidos. Eles precisam sentir que não é conversa mole para se mobilizarem.
O que faz com que agora as manifestações tenham muito menos gente do que em junho do ano passado se uma pesquisa do Datafolha mostrou que 55% da população acredita que a Copa trará prejuízos ao país?
O motivo mais importante é a violência, tanto do Estado como dos black blocs. Eu falei em muitas universidades depois que lancei o livro e ouço os jovens falando: eu saí em junho, mas acho que não vou sair mais porque a coisa desvirtuou, está tendo muita violência.
A tendência é que o público dos protestos aumente quando a Copa se aproximar?
O brasileiro pode não estar gostando (do que está acontecendo fora de campo), mas ele gosta de futebol. Se o Brasil perder a Copa, aí a humilhação pode dar vazão para aumentarem os protestos com multidão. Se não, vai ser isso que nós estamos vendo, só que com um grau muito mais intenso. Vamos ter o que aconteceu na última quinta-feira quase todos os dias.
Qual a outra política que emergiu dos protestos de junho que você cita no título do seu livro?
Nós estamos falando de jovens universitários, de 20, 30 anos, em que a infância e a adolescência foram forjadas em comunidades fechadas. Nos últimos 20 anos, a composição das famílias mudou de forma muito radical. Essas famílias têm cada vez menos tempo de convívio. Então, onde esses jovens aprenderam a falar e a se vestir? Nas tais tribos urbanas. Quando surgem os smartphones, essas comunidades ganham um lugar para se expressar. Foram essas comunidades que ocuparam as ruas em junho do ano passado. Eles não sabem o que é espaço público. Por isso, é muito comum os jovens fazerem confissões pessoais nas redes sociais. Eles têm esse sentimento de abandono. Eles se firmam contra a autoridade, contra os abusos e têm uma cultura muito mais próxima do anarquismo. O que vimos em junho é uma crítica profunda das organizações de liderança, verticais. Nós não conseguimos entender. Qual é a reivindicação? São todas aquelas que estão nos cartazes. Cada tribo somada dá uma multidão, mas cada tribo é uma manifestação em si.
O senhor faz um paralelo do momento atual do Brasil com o que aconteceu nos Estados Unidos nos anos 1950.
Nos anos 1950, os Estados Unidos criaram um potente mercado consumidor interno, com aumento das exportações. Houve uma melhora rápida da renda. Essa mobilidade acelerada gerou um incômodo das elites, que se sentiam seguras em relação aos pobres e negros. Essa mobilidade social pelo consumo gera uma instabilidade dos lugares. O que está acontecendo no Brasil é algo parecido. Numa jornada de 10 a 15 anos, nós tivemos 40 milhões que estavam à margem da sociedade e passaram a consumir. A ascensão social gerou uma autonomia muito maior. Em todas as eleições, quando se decompõe o voto, a gente percebe que a ideia de formador de opinião faliu. É o primeiro impacto da inclusão pelo consumo. Tem o segundo impacto, que é a reação das elites, que se incomodam que o analfabeto possa frequentar um restaurante.


Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/pais/para-sociologo-protestos-contaminam-forma-de-avaliar-politica-12522010#ixzz326VjAUra 
© 1996 - 2014. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

Para sociólogo, protestos contaminam forma de avaliar política

SÉRGIO ROXO (EMAIL)
Publicado:



Manifestante fazem passeata na Rua da Consolação, em São Paulo, contra a Copa do Mundo
Foto: Michel Filho


Manifestante fazem passeata na Rua da Consolação, em São Paulo, contra a Copa do Mundo Michel Filho
Autor do livro “Nas ruas: a outra política que emergiu em junho de 2013”, o sociólogo e cientista político Rudá Ricci tem participado de debates para discutir a onda de manifestações e acredita que os protestos só vão atrair mais público se houver uma derrota precoce na Copa.
Qual sua avaliação sobre os eventos da última quinta-feira?
Tivemos a confluência de três blocos de protestos. Um é o pessoal liderado pelos comitês populares da Copa, que têm como questão central defender os atingidos pelas obras. A eles, se agregam os anarquistas e os meninos de junho. O segundo é composto por organizações do século XX, os sindicatos. O funcionalismo público vem tomando a frente do movimento sindical. Existe uma disputa de outras centrais, ligadas ao PSOL e ao PSTU, com a CUT, que liderava esses sindicatos de funcionalismo público. Por isso, eles (os sindicatos) estão raivosos, com medo das oposições crescerem, e têm radicalizado. E o terceiro bloco são os movimentos sociais dos anos 1980, principalmente o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST).
Quais são os conflitos entre eles?
O MTST faz uma política que não rompe com o campo tradicional. Eles sempre se dirigiram ao Estado, negociaram com governantes e entraram no jogo fazendo uma espécie de mediação, porque os meninos de junho colocaram a culpa em todos os governos. Há uma disputa entre esses dois grupos pela liderança das lutas sociais. Como o MTST faz uma leitura classista, acha que não pode atacar só o governo, que, embora na visão dele não seja uma maravilha, é mais à esquerda. Por isso que, na semana passada, antes dessa manifestação do 15 de maio, que eles já sabiam que iria acontecer, se anteciparam e ocuparam em São Paulo várias sedes de empreiteiras. Foi uma forma de demarcar terreno.
Os sindicatos em greve não se apresentam contra a Copa. Esse grupo tem se aproveitado do momento?
Grande parte das greves tem a ver com uma disputa política no interior do sindicalismo. Quando você faz uma campanha salarial, se tem algum evento que cria constrangimento para seu contratante, você tenta fazer algo próximo, para deixá-lo o mais constrangido possível. No caso dos servidores públicos, quanto mais próximo da Copa, mais o governo vai ficar desesperado. Principalmente porque toda a política do lulismo foi para criar um ambiente de investimento. No governo Lula, tivemos diminuição de ocupações e de greves mais agressivas. Agora, essas greves, justo no momento em que estrangeiros olham para o Brasil, quebram complemente esse ambiente de paz. É uma faca no pescoço do governo.
Como a nova classe média reage aos protestos?
As manifestações estão influenciando a forma como os que ascenderam pelo consumo estão vendo a política. Até então, esse pessoal, que estava recebendo desde Bolsa Família até acesso ao crédito popular, tinha uma postura de indiferença. Desde junho, a impressão é que essas manifestações de rua desmontaram essa postura. Você percebe que a população começa a desconfiar de todo o sistema partidário. Por isso que estamos tendo um recorde de votos brancos, nulos e abstenções (segundo a última pesquisa Datafolha divulgada no dia 9 para presidente, 24% dos eleitores votariam em branco, nulo ou estão indecisos). Não são pessoas que saem às ruas, mas que pensam “esses governos são todos ruins; esses meninos exageram, mas eles estão falando algo que tem fundamento”. Os meninos estão arrastando a opinião pública para uma postura mais cética e mais crítica.
Como fica a situação nessa eleição?
Há um clima que é propício para a liderança carismática. Os candidatos muito identificados com a estrutura partidária estão no bojo dessa crítica e têm pouco espaço. Eles não merecem muita confiança desse eleitor insatisfeito. Os que têm perfil carismático são Lula e Marina. Acho que eles serão as eminências pardas desta eleição. Aécio Neves e Eduardo Campos são dois homens da política partidária, dois caciques, e a Dilma não tem carisma. Se Lula e Marina não entrarem na disputa, pode acontecer de tudo. Uma vitória da Dilma, porque não vão aumentar os votos da oposição e, com grande quantidade de brancos, nulos e abstenções, ela teria baixa legitimidade. Pode ter ainda segundo turno, e Aécio ou Campos vencerem, mas também com baixa legitimidade.
Por que só agora, às vésperas do começo da competição, surgem protestos contra a Copa?
Você não organiza manifestação de rua do dia para a noite. Tem que fazer contato com os atingidos. Eles precisam sentir que não é conversa mole para se mobilizarem.
O que faz com que agora as manifestações tenham muito menos gente do que em junho do ano passado se uma pesquisa do Datafolha mostrou que 55% da população acredita que a Copa trará prejuízos ao país?
O motivo mais importante é a violência, tanto do Estado como dos black blocs. Eu falei em muitas universidades depois que lancei o livro e ouço os jovens falando: eu saí em junho, mas acho que não vou sair mais porque a coisa desvirtuou, está tendo muita violência.
A tendência é que o público dos protestos aumente quando a Copa se aproximar?
O brasileiro pode não estar gostando (do que está acontecendo fora de campo), mas ele gosta de futebol. Se o Brasil perder a Copa, aí a humilhação pode dar vazão para aumentarem os protestos com multidão. Se não, vai ser isso que nós estamos vendo, só que com um grau muito mais intenso. Vamos ter o que aconteceu na última quinta-feira quase todos os dias.
Qual a outra política que emergiu dos protestos de junho que você cita no título do seu livro?
Nós estamos falando de jovens universitários, de 20, 30 anos, em que a infância e a adolescência foram forjadas em comunidades fechadas. Nos últimos 20 anos, a composição das famílias mudou de forma muito radical. Essas famílias têm cada vez menos tempo de convívio. Então, onde esses jovens aprenderam a falar e a se vestir? Nas tais tribos urbanas. Quando surgem os smartphones, essas comunidades ganham um lugar para se expressar. Foram essas comunidades que ocuparam as ruas em junho do ano passado. Eles não sabem o que é espaço público. Por isso, é muito comum os jovens fazerem confissões pessoais nas redes sociais. Eles têm esse sentimento de abandono. Eles se firmam contra a autoridade, contra os abusos e têm uma cultura muito mais próxima do anarquismo. O que vimos em junho é uma crítica profunda das organizações de liderança, verticais. Nós não conseguimos entender. Qual é a reivindicação? São todas aquelas que estão nos cartazes. Cada tribo somada dá uma multidão, mas cada tribo é uma manifestação em si.
O senhor faz um paralelo do momento atual do Brasil com o que aconteceu nos Estados Unidos nos anos 1950.
Nos anos 1950, os Estados Unidos criaram um potente mercado consumidor interno, com aumento das exportações. Houve uma melhora rápida da renda. Essa mobilidade acelerada gerou um incômodo das elites, que se sentiam seguras em relação aos pobres e negros. Essa mobilidade social pelo consumo gera uma instabilidade dos lugares. O que está acontecendo no Brasil é algo parecido. Numa jornada de 10 a 15 anos, nós tivemos 40 milhões que estavam à margem da sociedade e passaram a consumir. A ascensão social gerou uma autonomia muito maior. Em todas as eleições, quando se decompõe o voto, a gente percebe que a ideia de formador de opinião faliu. É o primeiro impacto da inclusão pelo consumo. Tem o segundo impacto, que é a reação das elites, que se incomodam que o analfabeto possa frequentar um restaurante.


Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/pais/para-sociologo-protestos-contaminam-forma-de-avaliar-politica-12522010#ixzz326VjAUra 
© 1996 - 2014. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

Nenhum comentário: