Pular para o conteúdo principal

" Gosto mais dos meus cachorros do que de gente"

Virou hábito ouvir, na rua ou entre os amigos, a famosa frase: Gosto mais dos meus cachorros do que de gente. Será? Como se sentiria um ser humano se fosse obrigado a viver só com a companhia de cachorros, tivesse de levar uma vida de cão, fazer coisas que os cães deveriam estar fazendo, comer comida de cão, não tomar banho, comer grama quando tivesse dor de barriga, rolar por aí, sacudir-se pra se secar, roer um osso por horas, ter de marcar território, viver uma vida animal?
Isso parece um diálogo surreal não é? Não, não é. Vamos inverter a situação: os Pets, tão amados pets, são obrigados a viver trancados em apartamentos minúsculos só com a companhia de humanos, casas sem quintal, ficar sozinhos o dia todo enquanto seu dono trabalha - aquele que diz que o ama mais que tudo -, usar mini roupas humanas que alguém inventou pra eles, tomar banho toda semana com um shampoo caríssimo que seu olfato apurado não suporta, ficar esperando no carro enquanto seu dono faz compras ou se diverte, talvez até tenha de usar fraldas pra não fazer xixi no território do seu dono entre outras insanidades. Sorte dele que no fim de semana ou no próximo feriado, quem sabe, ele vai ser levado pra ser cachorro, nadar ou até dar uma corridinha. 
O que esta acontecendo com os seres humanos? Cães são cães, qual a dificuldade de entender isso? Será que estamos retrocedendo? Enlouquecendo? Se você está procurando alguém pra chamar de seu filhinho com aquela vozinha ridícula de criança saiba que o Brasil tem cerca de 37 mil crianças abrigadas, aproximadamente 45% das crianças brasileiras vivem na pobreza e isso equivale a 60 milhões delas, 98% das crianças de 7 a 14 anos estão na escola, parece muito? Traduzindo, temos 535 mil crianças fora da escola.
Isso não é um discurso antiquado pra dizer que você deve deixar de cuidar do seu cão e adotar uma criança. É só pra registrar a que ponto chegamos: Tratamos cães como gente e gente como nada. O pior de tudo isso amantes caninos , é que seus cães estão odiando, e vocês são incapazes de enxergar o exagero.
Sugiro aqui um exercício de consciência, será que você faz tudo isso porque ama mesmo seu cão? Acho que não, caso contrário não trataria seu animal como um imbecil. Qual então é o problema? Pense um pouquinho, talvez você até já saiba e teima em não resolver.
Pessoas, tratem seus desequilíbrio resolvam seus problemas, preencham suas lacunas emocionais, procurem os terapeutas, os psicólogos, os psiquiatras, os amigos, a pia cheia de louça, sei lá... RESOLVAM-SE, EVOLUAM pelo amor de Deus, ou vai ficar – já está ficando - muito chato viver num mundo de doentes.
Dair Araujo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Classe média alta de Rio Preto no tráfico de drogas

Cocaína e ecstasy rolam solto na alta rodaAllan de Abreu Diário da Região Arte sobre fotos/Adriana CarvalhoMédicos são acusados de induzir o consumo de cocaína e ecstasy em festas raveFestas caras com música eletrônica e bebida à vontade durante dois ou três dias seguidos, promovidas por jovens de classe média-alta de Rio Preto, se tornaram cenário para o consumo de drogas, principalmente ecstasy e cocaína. A constatação vem de processo judicial em que os médicos Oscar Victor Rollemberg Hansen, 31 anos, e Ivan Rollemberg, 25, primos, são acusados pelo Ministério Público de induzir o consumo de entorpecentes nesse tipo de evento.

Oscarzinho e Ivanzinho, como são conhecidos, organizam há seis anos a festa eletrônica La Locomotive. A última será neste fim de semana, em Rio Preto. Cada festa chega a reunir de 3 mil a 4 mil pessoas. Segundo a denúncia do Ministério Público, os primos “integram um circuito de festas de elevado padrão social e seus frequentadores, em especial os participa…