Pular para o conteúdo principal

Em Julho de 2013 eu publicava este texto

A possibilidade de um rompimento institucional
Luciano Alvarenga

As manifestações estão ganhando novos contornos. Das marchas imensas e cheias com tudo e todos, agora estão diluindo em grupos. Sindicatos, centrais sindicais, corporações, movimentos sociais específicos, anarcopunks e ONGs passaram a desenvolver suas agendas de protestos, manifestos e greves, como é o caso da polícia civil de São Paulo que decide em assembleia hoje, 04.07.2013, se entra em greve.
Os manifestos sejam pelo tamanho, pela força e pela contundência e rapidez com que tudo se tornou nacional e urgente, criou um sentimento em amplas parcelas da população de que algo precisa ser feito e rápido. Esse sentimento expressa a realidade de um país onde as instituições fundamentais estão em colapso.
O congresso ilhado e envolvido apenas consigo mesmo, tornou-se um grande balcão de negócios. O executivo federal alimenta a maior base de apoio partidário do mundo democrático e com isso acabou com a oposição (vide o caso estarrecedor de que o vice-governador de São Paulo/PSDB é ministro do governo Federal do PT). O sistema educacional federal e estadual(is) está completamente sucateado, as escolas foram transformadas em grandes sistemas de encarceramento infanto-juvenil. O sistema prisional está dominado por facções criminosas que comandam todo o sistema dentro dos presídios e nas ruas, chegando ao absurdo de que até os governos estaduais precisam negociar com eles. A justiça está paralisada pela lentidão, pela burocracia, pela falta de pessoal, e pela casta de juízes, desembargadores e outros que ganham milhões para deixar tudo como está. A saúde pública é ruim, os médicos são mal formados e ganham insuficientemente e estão concentrados em áreas mais desenvolvidas, no mais o sistema está sendo rapidamente privatizado. O sistema de transporte público no país é dominado por meia dúzia de mega empresários que sangram os cofres públicos enquanto a população é transportada como gado pelas cidades brasileiras. O sistema tributário brasileiro pune o pobre fazendo dele o grande pagador de impostos da nação, enquanto os ricos e milionários pagam menos quanto mais ricos ficam. Citei apenas algumas e principais instituições e áreas da vida pública no Brasil, existem mais e em situação tão grave quanto. Esse é o pano de fundo de tudo o que esta acontecendo nas ruas hoje.
Enfim, as instituições no Brasil estão em colapso é falência múltipla de órgãos, para usar um jargão médico.
Ora, o que isso significa para além do óbvio. Significa que podemos caminhar dentro do contexto de rebeldia civil e democrática em andamento, para uma crise institucional. E por quê?
Depois de dez anos de paralisia dos movimentos sociais e sindicais, resultado da política de cooptação do governo petista, associado ao mega presidencialismo de coalizão que mais e mais desvitaliza o sistema democrático com a inanição forçada da oposição, o que temos agora é a violenta emergência de todas as demandas sociais reprimidas e que se esquentava no caldeirão da falência institucional do país. Rancores, ressentimentos, raivas e ódios cultivados ao longo de mais de vinte anos de uma política social e econômica no governo federal e Estadual, especialmente em São Paulo, de privatizações, precarização dos serviços públicos, criminalização de demandas sociais aliado a juros escorchantes e superávits primários obscenos resultaram no fato de que o que se quer é mudança e é agora.
Mas como mudar tudo o que se pede nas ruas se as instituições onde é possível que isso seja feito estão em colapso? Como mudar se as coisas estão como estão justamente por que é fruto de uma escolha política feita nestes últimos vinte anos pelo PSDB e pelo PT? As coisas não estão ruins por que nada foi feito, estão ruins por que foi decidido que assim seria. Atender as demandas das ruas é o mesmo que mudar a direção política tomada nestes últimos 20 anos. O colapso vivido no país é fruto de uma direção política que atende ao capital financeiro. Esse é o tipo de coisa que não se muda por que o povo foi pra rua, vide o caso da Europa.
Essa é a crise fundamental que pode desaguar num rompimento institucional.

Como mudar rápido e sem tempo aquilo que precisa ser mudado com cuidado e serenamente? O povo rompeu o silêncio, o poder foi desmascarado e o que temos é um impasse. Se as medidas tomadas pelo poder político não forem suficientes e não serão, o que fará o povo? E o que fará o poder?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…