Pular para o conteúdo principal

Cidade alemã pretende se livrar dos carros em 20 anos

Sua cidade também pode ser assim, inclusive Rio Preto. Luciano Alvarenga

Os avanços tecnológicos têm acelerado a comunicação ao redor do mundo e, de fato, um deslocamento de recursos para alternativas mais sustentáveis ​​continua a ser implementado em um ritmo crescente. Quem diria que em 30 ou até mesmo 50 anos atrás os carros poderiam sair de moda em favor de modos alternativos de transporte mais sustentáveis​​?
Cidade alemã pretende se livrar dos carros em 20 anos
No entanto, é exatamente isso o que está acontecendo na cidade alemã de Hamburgo. O conselho da cidade divulgou recentemente que tem planos para reduzir a maior parte da circulação de carros nas principais vias da cidade em 20 anos, a fim de criar o que um dia vai ser uma grande rede verde. As autoridades locais irão conectar pedonais e ciclovias, o que é esperado para suavizar o fluxo de tráfego, além de implantar formas sustentáveis de transporte.
Ao todo, a cidade está planejando expor novas áreas verdes que vão colmatar parques existentes, hortas comunitárias e cemitérios. O objetivo é reunir as saias exteriores de Hamburgo e permitir que os pedestres e ciclistas cheguem a todas as áreas da cidade a pé.
Quando o plano estiver concluído, a grande cidade de Hamburgo será capaz de orgulhar-se de ter mais de 17.000 hectares de espaços verdes, que compõem 40% da área da cidade.
Um funcionário falou sobre o projeto, afirmando que ele vai “reduzir a necessidade de levar o carro para passeios”. Enquanto os veículos não serão banidos das principais vias, o conselho espera que os moradores e turistas sejam capazes de “explorar a cidade exclusivamente de bicicleta ou a pé”.
Com a criação de um anel verde, a cidade também está ajudando na luta contra a ameaça do aumento das temperaturas e enchentes urbanas. É uma preocupação premente, já que a temperatura média na segunda maior cidade da Alemanha aumentou 9 graus Celsius em apenas meio século.
Locais em todo o mundo estão se submetendo a concepção e métodos de vida que irão apoiar uma vida mais verde para as futuras gerações. Hamburgo é apenas um dos muitos exemplos que provavelmente irão influenciar uma mudança no sistema atual.
Quando as cidades oferecerem espaço para o cultivo de alimentos, áreas de lazer imersas na natureza, e opções alternativas para o transporte sustentável, uma dramática mudança no paradigma atual será realizada. [TheMindUnleashed]


Leia mais em http://misteriosdomundo.com/cidade-alema-pretende-se-livrar-dos-carros-em-20-anos#ixzz2tsupTskb

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…