Pular para o conteúdo principal

'Vai ter muito mais dinheiro público do que se imaginava', diz Raí sobre Copa

Denúncia

DE SÃO PAULO
Ouvir o texto
O ex-jogador do São Paulo e campeão mundial com a seleção em 1994 Raí, 48, elegeu como maior legado da Copa no Brasil o escancaramento dos problemas sociais e da falta de organização do país.
Raí afirmou em sabatina da Folha realizada na noite de quarta-feira, no MIS (Museu da Imagem e do Som de São Paulo) que a competição servirá para que o mundo descubra o verdadeiro Brasil.
Raí foi o primeiro de uma série de convidados da Folha, que ao longo do primeiro semestre irão discutir sobre os impactos da Copa.
Ele foi entrevistado por Naief Haddad, editor de "Esporte", Paulo Vinícius Coelho, colunista da Folha, e Bernardo Itri, do "Painel FC".

Sabatina com Raí

 Ver em tamanho maior »
Jorge Araujo/Folhapress
AnteriorPróxima
O ex-jogador Raí participa de sabatina da Folha no MIS, em São Paulo
*
TRANSPARÊNCIA
O camisa 10 da seleção de 1994 criticou a organização da Copa por não explicar ao povo suas decisões e citou a ida do do governo britânico à TV para justificar os custos da Olimpíada de Londres-2012 como exemplo que deveria ter sido adotado no Brasil.
"Eles decidem fazer jogo no Amazonas e não tem detalhe. Não foi apresentado estudo. A questão é a falta de transparência, nada foi discutido com a sociedade. Ao contrário do que o Ricardo Teixeira [ex-presidente da CBF] falou, vai ter muito mais dinheiro público do que se imaginava."
LEGADO
Para Raí, a Copa dará ao Brasil muito menos do que deveria. O ex-jogador lembrou que o país não aproveitou o Mundial para se organizar e nem para construir uma política esportiva. O que fica de positivo são as transformações de que a demonstração pública das mazelas pode provocar.
"Vamos lembrar que o TCU apontou irregularidades no Pan-Americano de 2007 e ninguém foi responsabilizado. O legado pode ser esse: descobrir os podres e mostrar a todos. Esse evento vai mostrar o verdadeiro Brasil para o mundo e para nós também."
MANIFESTAÇÕES
Segundo o ex-jogador, protestos como os de junho do ano passado podem ajudar a expor ao exterior a insatisfação com a organização da Copa. Raí disse esperar que novas manifestações aconteçam durante a competição.
"Torço para que [manifestações] voltem. Elas estão expondo coisas nossas que não são legais, como a falta de planejamento e a violência, que são constrangedoras, mas isso é bom. O mundo não conhecia esse nosso lado."
SUCESSÃO DA CBF
Raí criticou a administração do futebol brasileiro, mas negou intenção de um dia presidir a entidade e preferiu lançar o amigo Leonardo, seu parceiro em 1994 e sócio na Fundação Gol de Letra, como exemplo para comandar a CBF.
"Uma pessoa que tem esse desejo, mas não para agora, é capaz e inteligente é o Leonardo. Se a gente quer mudança, precisamos de nomes assim, de coragem. No mínimo, as coisas não ficariam iguais."
BOM SENSO
O antigo capitão da seleção parabenizou o Bom Senso FC, movimento que conta com mais de mil jogadores e tenta conter os excessos de jogos.
"O Bom Senso já é uma realidade. Ele vai chegar longe, vai conseguir mudar o calendário, vai fazer um candidato da CBF defender suas causas. Espero que daí saia um movimento que transforme o sistema a médio prazo."
SELEÇÃO
Segundo Raí, o Brasil só é um dos favoritos para ganhar a Copa porque joga em casa e tem em Felipão um técnico que vai conseguir transmitir aos jogadores a emoção de disputar um Mundial em casa.
"Digo que, se a Copa não fosse no Brasil, o Brasil não ganharia. Não por falta de jogadores, mas porque tem uma Alemanha, uma Espanha e uma Argentina à frente. Mas estamos jogando no Brasil, entra a magia e a paixão. O que o Brasil correu naquela final [da Copa das Confederações] contra a Espanha, nenhum preparador físico consegue explicar. O Felipão soube jogar com as manifestações, e os caras entraram em campo como se fossem representantes de tudo aquilo que estava acontecendo."

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…