Pular para o conteúdo principal

Luciano Alvarenga. Edinho e Rillo


Esta eleição, 2014, é importante aos dois principais nomes surgidos na política riopretense nos últimos 16 anos; o ex-prefeito e deputado federal Edinho Araújo (PMDB) e, o deputado estadual João Paulo Rillo (PT).
Tanto um como outro estão diante do que pode ser uma inflexão em suas carreiras políticas.
Edinho não será candidato este ano, por decisão judicial e, tenta reverter esse impedimento para poder vir a ser candidato a prefeito em RP em 2016.
João Paulo precisa ser reeleito como dep. Estadual para reverter o sinal negativo de uma derrota dolorosa em 2012, para o então candidato a reeleição Valdomiro Lopes, atual prefeito de Rio Preto.
Uma decisão judicial desfavorável e, está sepultada a carreira política de Edinho. Uma derrota este ano nas eleições gerais, e João Paulo terá que apostar todas as fichas em sua cidade natal, como candidato a prefeito ou, vereador? Certamente como prefeito, creio eu.
E se João Paulo perder para Estadual e, Edinho reverter a decisão na justiça de forma favorável. Provavelmente um e outro serão adversários em 2016 numa disputa a prefeitura de Rio Preto, com mais uma candidatura governista – Ivani Vaz de Lima.
De qualquer forma, Edinho e Rillo vão se encontrar nas eleições de 2016, a menos que Edinho não possa ser candidato.
Quais as chances de cada um. Se Rillo ganhar pra Estadual vem fortalecido para a eleição municipal; o problema é que Rillo transformou a eleição municipal num carma. Depois de ter ido ao segundo turno em 2008, inesperadamente, deveria ele ter desestimulado qualquer veleidade em seu partido de sair candidato a prefeito novamente. Não fez isso. Entendeu que ir ao segundo turno em 2008 era um sinal de que seu momento chegara. Perdeu fragorosamente em 2012. A ideia que ficou, por ter disputado duas eleições municipais seguidas, é a de que seu objetivo é ser prefeito, agora. Acontece que ele não pode mais perder uma eleição a prefeito ou, nunca mais conseguirá ganhar uma.
Edinho vive uma situação diferente. Se for aliviado pela justiça da condenação que lhe foi aplicada, certamente será candidato a prefeito em 2016. Edinho tem um eleitorado que mais parecem fãs. Boa parte deste eleitorado é que deu a vitória ao Valdomiro no primeiro turno na ultima eleição. Elegeu Valdomiro como expressão de raiva, pelo fato de Edinho ter apoiado seu até então adversário, o petista João Paulo. Rillo conta com os votos que possui e, em Rio Preto, são os votos petistas. Edinho conta com os próprios votos e, os votos do Valdomiro que, certamente, não irá apoiar quem quer que seja a nada.

A melhor chance ao Rillo em 2016 é que Edinho não possa ser candidato. A melhor chance ao Edinho é que a justiça permita que ele seja candidato. Luciano Alvarenga

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…