Pular para o conteúdo principal

Entenda porque os pobres estão dando rolês


O rolê do Brasil

Recomenda-se imprimir, recortar e fixar por um tempo o quadro abaixo em local visível.
Editoria de Arte/Folhapress
O importante é conservar a mensagem desses números.
Os rolezinhos nos shoppings e os protestos de junho.2013 têm muito a ver com isso.
E o mau humor dos mais ricos, apartados dessa realidade até há pouco.
A pirâmide na arte lembra (e informa os desavisados) como ainda somos pobres.
Em sua base, 66% das famílias brasileiras vivem com até R$ 2.034 ao mês. Isso dá R$ 656 por cabeça (R$ 21,50 ao dia), considerando a média de 3,1 indivíduos por família.
O Brasil privado evoluiu muito na década que antecedeu o governo Dilma. Foi a era da tal ascensão das classes D/E à C.
O impressionante aumento dos impostos no período permitiu massificar as bolsas sociais e benefícios da Previdência.
Milhões foram tirados de suas "cavernas" nessa distribuição da renda forçada, que achatou a classe média.
O movimento desencadeou aumentos no emprego, no salário mínimo e na renda.
A ortodoxia pró-mercado FHC-lulista daqueles anos encorajou a expansão das empresas e do crédito. O endividamento das famílias serviu de mola para desdobrar o consumo.
Resultado: 40 milhões de brasileiros subiram para a classe C –nomenclatura relacionada prioritariamente ao consumo.
Lazer e educação não pesam aqui. Mas é óbvio que mais renda e consumo ampliaram o acesso à educação e a serviços de informação, como a internet.
Agora, o bom ritmo dos anos Lula diminuiu à metade sob Dilma e sua lógica econômica rudimentar.
Mas o país ainda pobre, com empregos mal remunerados, está em outro patamar. E pressiona por mais serviços públicos e outras diversões.
Os ex-excluídos estão aí. Metendo o pé na porta. 
fernando canzian
Fernando Canzian é repórter especial da Folha e editor do "TV Folha", exibido aos domingos na TV Cultura (19h30 com reprise às 23h). Foi secretário de Redação, editor de política e do "Painel" e correspondente da Folha em Nova York e Washington. Vencedor de dois prêmios Esso, é autor do livro "Desastre Global - Um ano na pior crise desde 1929".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…