Pular para o conteúdo principal

Projeto HappyPlayTime vai estimular a masturbação feminina

Projeto HappyPlayTime vai estimular a masturbação feminina através de games

 5 de julho de 2013
Tratada como tabu nos quatro cantos do planeta (e possivelmente também na minha família e na sua) a masturbação feminina costuma receber o pior tratamento possível mesmo quando comparada à sua versão masculina: é comum que seja cercada de vergonha, vista como um fato a ser ignorado ou tratada simplesmente como algo inexistente.
Para evitar que esse tipo de visão estreita continue afetando o desenvolvimento de crianças e adolescentes do sexo feminino e a satisfação sexual de mulheres adultas, a designer Tina Gong bolou uma maneira divertida de ajudá-las a conhecer o próprio corpo: criou o HappyPlayTime, um aplicativo de game que estimula a masturbação feminina.
happyplaytime
Ainda em fase de desenvolvimento, o jogo é baseado na personagem Happy – uma vagina estilizadas com traços de cartoon – e terá pequenas lições de anatomia e microjogos que irão guiar as usuárias para a descoberta do próprio corpo. “Sexualidade é um dos instintos mais básicos dos seres humanos. Estar confortável com seu próprio prazer sexual é um pré-requisito para conseguir aceitar o prazer proporcionado por outras pessoas e oferecer o mesmo. Como você pode trocar prazer com alguém se você não entende o que o seu próprio corpo gosta?” afirma a missão da página na internet.
Acha que a iniciativa pró-educação é um exagero? Confira alguns dados sobre o tema – como o que mostra que quase 50% das mulheres se masturba menos de uma vez por mês ao longo do ano – no infográfico abaixo (em inglês):
happyinfo
Quer saber mais? Para se informar sobre o game ou receber um aviso quando ele for lançado, acesse o site da HappyPlayTime e se inscreva.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Classe média alta de Rio Preto no tráfico de drogas

Cocaína e ecstasy rolam solto na alta rodaAllan de Abreu Diário da Região Arte sobre fotos/Adriana CarvalhoMédicos são acusados de induzir o consumo de cocaína e ecstasy em festas raveFestas caras com música eletrônica e bebida à vontade durante dois ou três dias seguidos, promovidas por jovens de classe média-alta de Rio Preto, se tornaram cenário para o consumo de drogas, principalmente ecstasy e cocaína. A constatação vem de processo judicial em que os médicos Oscar Victor Rollemberg Hansen, 31 anos, e Ivan Rollemberg, 25, primos, são acusados pelo Ministério Público de induzir o consumo de entorpecentes nesse tipo de evento.

Oscarzinho e Ivanzinho, como são conhecidos, organizam há seis anos a festa eletrônica La Locomotive. A última será neste fim de semana, em Rio Preto. Cada festa chega a reunir de 3 mil a 4 mil pessoas. Segundo a denúncia do Ministério Público, os primos “integram um circuito de festas de elevado padrão social e seus frequentadores, em especial os participa…