Pular para o conteúdo principal

Tablets e celulares, máquinas da desigualdade? Você pode ser um internauta de 2º categoria

http://outraspalavras.net/blog/2013/11/28/tablets-e-celulares-maquinas-da-desigualdade/

131128-celulares
Ativistas digitais alertam: pode estar surgindo acesso à internet de segunda categoria, que limita poder de criação dos mais pobres, para reduzi-los a meros consumidores
Por Gabriela Leite
Tablets e smartphones foram vistos com frequência nos últimos anos, como grandes ferramentas para democratização da internet. Relativamente baratos (88 modelosvendidos no Brasil custam menos de R$ 500), utilizam aplicativos que economizam banda de conexão e são incomparáveis em portabilidade. Agora, porém, estas vantagens estão sendo relativizadas por um número crescente de ativistas que lutam pelo livre acesso à rede. Ouvidos num texto recente, da revista Salon, eles sustentam: sob o manto de uma popularização ilusória, pode estar surgindo um novo apartheid digital. Nele, uma elite usufrui plenamente as possibilidades da rede, enquanto cria-se, para as maiorias, um uso de segunda categoria, que consiste basicamente em consumir o que os outros criam.
Larry Ortega, um dos ativistas ouvidos, explica que não se trata de condenar o aparelhos de acesso móvel à internet — mas de constatar as limitações impostas a quem se comunica exclusiva ou principalmente por parte de celulares e tablets. Neles, é muito difícil, ou mesmo impossível, desenvolver atividades refinadas: escrever um texto não-sumário, editar um vídeo, por exemplo — ou mesmo ações mais prosaicas e ligadas ao mercado, como preencher uma proposta de emprego online.
Ortega argumenta que o acesso à internet deve significar uma melhora na qualidade de vida e participação social dos seres humanos. Para ele, simplesmente passar um dia inteiro vendo vídeos no YouTube não é expressa nenhuma melhora significativa. Quem só consome, e não cria nada na rede, passa a ter uma relação meramente passiva, assim como acontece com a televisão.
Na “segunda categoria”, pobres e negros: Os ativistas citados por Salon revelam que, nos Estados Unidos, há nítida correlação entre as duas “categorias” de usuários e as relações de classe social e etnia. Em todo o país, cerca de um terço dos usuários da internet conecta-se “principalmente por celulares”. Mas este tipo de internauta é duas vezes mais frequente entre os negros e hispânicos que entre os brancos. A mesma discrepância repete-se quando se comparam usuários com renda anual em torno de 30 mil dólares com outros que ganham U$ 75 mil.
O cenário parece repetir-se no Brasil. Estudo recente do IBOPE Media revelou que, 53 milhões de pessoas acessam a internet pelo celular. Tablets e smartphones são meios utilizados por 56% dos usuários para entrar na rede, mostra pesquisa do IAB Brasil. E embora a maioria dos usuários brasileiros da internet use pelo menos dois dispositivos (além dos aparelhos móveis, também desktops, notebooks, videogames e outros), dois em cada três acessos é feito por smartphones (projeções para 2012).
Como enfrentar o problema? Stephanie Chen, outra ativista ouvida por Salon, não tem dúvidas em apontar a garantia do acesso universal à banda larga. Para ela, que participa do Greenlining Institute (uma organização em favor de justiça racial e étnica), o Estado deve reconhecer e assegurar a conexão em banda larga como necessidade e direito básico — assegurado, portanto, a todos, independente de capacidade financeira.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Classe média alta de Rio Preto no tráfico de drogas

Cocaína e ecstasy rolam solto na alta rodaAllan de Abreu Diário da Região Arte sobre fotos/Adriana CarvalhoMédicos são acusados de induzir o consumo de cocaína e ecstasy em festas raveFestas caras com música eletrônica e bebida à vontade durante dois ou três dias seguidos, promovidas por jovens de classe média-alta de Rio Preto, se tornaram cenário para o consumo de drogas, principalmente ecstasy e cocaína. A constatação vem de processo judicial em que os médicos Oscar Victor Rollemberg Hansen, 31 anos, e Ivan Rollemberg, 25, primos, são acusados pelo Ministério Público de induzir o consumo de entorpecentes nesse tipo de evento.

Oscarzinho e Ivanzinho, como são conhecidos, organizam há seis anos a festa eletrônica La Locomotive. A última será neste fim de semana, em Rio Preto. Cada festa chega a reunir de 3 mil a 4 mil pessoas. Segundo a denúncia do Ministério Público, os primos “integram um circuito de festas de elevado padrão social e seus frequentadores, em especial os participa…