Pular para o conteúdo principal

Os novos ricos: entre o vazio e o nada

O pobre Alexandre Ribeiro, rei do camarote da Vejinha

O video do tal “Rei do Camarote” – capa da Veja-SP – está gerando campanhas de Facebook contra o tal empresário.
É crônica de uma morte anunciada.
No rosto, no olhar inseguro, nos afagos dos puxa-sacos, nos requebros desengonçados, é evidente um sujeito instável, frágil como um pilar de cristal prestes a quebrar, sustentando uma tonelada de expectativas familiares frustradas.
Não é de hoje que esse tipo de jornalismo explora a figura do alpinista social ou dos novos ricos sem pedigree. É fórmula fulminante, que gera leitura e repercussão, garante tiragem para a revista e desmoralização para os ricos de grana e pobres de discernimento.
Se  uma revista tipo a  Piauí dedicar  um de seus belos perfis ao Alexandre, não encontrará nada diferente de outros candidatos a celebridades.
Pelo aperitivo, é rico sem pedigree. Ou seja, a família venceu dando murros, abrindo caminho à força, por mérito próprio ou por picadas pouco visíveis. Seja qual for a origem da fortuna, de agora em diante será dissecada.
Essas epopeias familiares nascem de pais fortes, sem complexo de inferioridade, com garra superior à dos que entram na vida empresarial escorados nas redes de proteção das relações sociais e familiares.
Esses pais exigem a mesma garra dos filhos.
Por conta da ascensão econômica, os filhos passam a frequentar novos ambientes sociais. E entram em um mundo estranho, de milionários como eles, mas com história, verniz e maneiras mais sutis de atender a egos inflados. E, aí, o complexo explode o ego em mil pedaços.
Sente-se inferiorizado no novo ambiente, em que todos são ricos, mas alguns têm pedigree e sente-se inferiorizado no ambiente familiar, em provável disputa com irmãos mais fortes que atenderam às expectativas dos pais.
A única saída será procurar outro ambiente, no qual possa se destacar pelo único diferencial que tem: o dinheiro. E aí se mete até o pescoço no ridículo.
Mas o pior está por vir. O processo de criação de celebridades traz no seu bojo o prazer da destruição posterior. São os dois momentos de maior destaque do grande show da mídia: o momento da criação e o momento da destruição do personagem.
Que as empresas desse pobre coitado tenham total solidez e que o caminho familiar para a fortuna tenha total transparência para poder resistir à devassa que se seguirá a esse show de ridículo.

Comentários

NÃO ADIANTA TER MUITA GRANA E...
MIM NÃO QUER???
...
KKKKKKKKKKKK....

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Classe média alta de Rio Preto no tráfico de drogas

Cocaína e ecstasy rolam solto na alta rodaAllan de Abreu Diário da Região Arte sobre fotos/Adriana CarvalhoMédicos são acusados de induzir o consumo de cocaína e ecstasy em festas raveFestas caras com música eletrônica e bebida à vontade durante dois ou três dias seguidos, promovidas por jovens de classe média-alta de Rio Preto, se tornaram cenário para o consumo de drogas, principalmente ecstasy e cocaína. A constatação vem de processo judicial em que os médicos Oscar Victor Rollemberg Hansen, 31 anos, e Ivan Rollemberg, 25, primos, são acusados pelo Ministério Público de induzir o consumo de entorpecentes nesse tipo de evento.

Oscarzinho e Ivanzinho, como são conhecidos, organizam há seis anos a festa eletrônica La Locomotive. A última será neste fim de semana, em Rio Preto. Cada festa chega a reunir de 3 mil a 4 mil pessoas. Segundo a denúncia do Ministério Público, os primos “integram um circuito de festas de elevado padrão social e seus frequentadores, em especial os participa…