Pular para o conteúdo principal

O Serra é foda

Especulações sobre a história do helicóptero recheado de pó 

Rudá Ricci
Quando políticos adversários começam a se difamar diariamente é porque estão tão próximos que o que os diferencia é filigrana: o vestuário, a bebida preferida, o corte de cabelo, os lugares que frequenta.
PSDB tentou pegar a onda do julgamento do mensalão e vem recebendo uma baciada de contra-ataques com versões sobre o mesmo tema. Imagino para vários ataques (de lado a lado) haverá sempre algo similar a ser apresentado como defesa (ou ataque) do acusado.
Por estas e por outras, as versões sobre quem vazou esta história do helicóptero (e outras envolvendo dirigentes e aliados dos tucanos) começam a pipocar em blogs e redes sociais diversas.
A mais recente é a que publico abaixo e que surgiu no blog do Renato Rovai. Sugere que se trata de fogo amigo. Para quem ainda acha que a vida de candidato tucano em 2014 será recheada de boas notícias.

UMA HISTÓRIA DE UM VAMPIRO SÓ…

29/11/2013 | Publicado por Renato Rovai em Política 
O telefone toca. É ele, meu amigo ave. Ele sempre liga nos momentos mais inusitados.
- Tudo bem maestro, me diz ele.
Ele sempre me chamou assim. Desde o dia que numa assembléia estudantil ele cismou que eu fiz o povo cantar.
- Fala, ave.
Eu só fui chamá-lo assim depois de uns anos. Por conta de algo que talvez não seja assim tão necessário explicar. Ave é meu amigo do lado de lá.
- Tô te achando estranho, maestro. Você não se deu conta de nada ou ficou quietinho porque o vampiro te conquistou?
- Eu, hein, você tá cada dia mais esquisito…rs.
- Vocês são muito fraquinhos. Ficam só na superfície. Não consigo entender como os caras ainda tomam baile de vocês.
- Quer saber, ave, nem eu…
(rimos juntos)
Vou resumir. Ave tem certeza que tem vampiro nessa história do helicóptero.
Por que ele acha isso?
Ave elenca suas hipóteses:
1) O vampiro é quem manda na PF.
2) Se não acredita, pergunta pra Roseana que ela te conta como foi o caso Lunus, me disse ele.
3) Se não acredita, pergunta pros aloprados do PT que tentaram comprar um dossiẽ, me diz ele.
4) Se naõ acredita, me diz ele, pergunta pro rapaz das Gerais.
Ave jura que boa parte das aves entendeu o recado do avião com 450 quilos de cocaína apreendido pela PF.
Ave jura que essa é a senha de sempre. E diz gargalhando: “pó, pára governador…”.
E que no aviário, quando o assunto é poeira, todos entendem o recado.
E sabem da onde vem a ventania.
Entendem que é dia de lua cheia.
Digo que não acredito em vampiros.
Ave ri ainda mais alto.
E diz, você não. Mas a gente tem certeza que ele existe.
E que não ficou no aviário à toa.
E que vai comer muitas aves antes da lua cheia sair de cena.
E desliga o telefone.
Não sem antes dizer. Pode publicar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…