Pular para o conteúdo principal

Transformando Rio Preto num lugar ruim, para vender o “bom”

Luciano Alvarenga

O boom imobiliário que vive o interior de São Paulo e, grande parte de todo o país, deveria ser comemorado, mas na verdade traz grandes preocupações. Os empreendimentos imobiliários em instalação em cidades como Rio Preto, entre outras de porte médio como São José dos Campos, Ribeirão Preto e outras, ao invés de se darem a partir daquilo que significa uma cidade média do interior, reproduz por aqui um conceito de moradia e vida coletiva que fala mais de grandes centros como São Paulo do que com aquilo que de fato é uma cidade como Rio Preto.
Baseados num padrão de violência aqui inexistente; numa cultura de exclusivismo social ainda prematura e restrita a uma parcela muito pequena da população; numa geografia urbana gigantesca e que aqui se desconhece, tendo em vista nossa cidade ter uma espacialidade relativamente pequena e que, portanto, torna tudo quase perto; em padrões econômicos per capta sabidamente altos para a realidade local; num medo social criado artificialmente; enfim, baseados numa realidade completamente avessa e estranha a realidade de Rio Preto, é que incorporadoras, construtoras e imobiliárias estão transfigurando a face da cidade com empreendimentos na área de moradia, que deixará atrás de si um rastro de problemas e uma cultura de convivência social que é o oposto do que se tem desenvolvido e buscado em inúmeras cidades mundo afora.
Chamo a atenção para o fato de que o que se busca nestas cidades mundo afora é exatamente aquilo que cidades como Rio Preto sempre tiveram. Qualidade de vida, segurança, convivência social, relativo equilíbrio sócio econômico. Os projetos padrão classe média e alta à venda em Rio Preto hoje e, por todo o interior do Estado, são projetos velhos que foram vendidos em cidades como São Paulo duas ou três décadas atrás. Isso em função do fato de que hoje em São Paulo a pegada imobiliária vai em outra direção. O interior do Estado tem aquilo que São Paulo, como outras grandes cidades como Nova York, Paris tenta fazer; criar a partir da intervenção arquitetônica e projetos de urbanismo, sociabilidade, caminhabilidade, proximidade, sustentabilidade, cultura do e no local, transporte coletivo, ciclovia, culturas de tipo rural como hortaliças, frutigranjeiros, flores e ornamentais e por ai vai. Se Rio Preto não tem tudo isso, certamente está mais perto de ter do que uma cidade como São Paulo. Mas em que direção estamos indo?
A indústria da construção e imobiliária, ou o que eu gosto de chamar de esquartejadores de cidades, tentam vender e, estão conseguindo - inclusive com o apoio do poder público, incluído aqui prefeitos e vereadores que a soldo bem pagos, aprovam projetos que tornam a cidade aquilo que eles, poder público, deveria impedir que acontecesse – respostas e soluções para problemas que aqui inexistem, ou, existem em tamanho que pede outro tipo de intervenção que não a mudança dos padrões de convivência social de cidades como Rio Preto.
Vendem caríssimo, e completamente fora dos padrões locais, produtos desnecessários que só fazem sentido e sucesso a golpes fortíssimos de marketing e publicidade que, quanto mais sofisticados na forma, menos interessam no conteúdo. O que vemos depois disso são as pessoas tendo que lidar com problemas que elas não possuíam. Vide o caso das milhares de pessoas moradoras dos condomínios em torno de Rio Preto, que enfrentam diariamente um trânsito pesado pra irem ao trabalho ou levar seus filhos à escola, quando à duas ou três décadas moravam no centro da cidade e perto de tudo. Nos condomínios, comprar um pão e um leite significa uma maratona de horários, lugares e ruas que precisam ser previamente pensadas, dado o fato de que ninguém tem disposição de uma vez dentro de casa, sair para comprar um pão a quilômetros de distância. Por que saíram do centro? Por que o centro foi pouco a pouco abandonado pelo poder público, pelos políticos quero dizer, que incentivado$ pela iniciativa privada, rifaram as áreas rurais ao entorno da cidade para a construção do sonho da moradia segura, os condomínios.
Condomínios são lugares longínquos, distantes de tudo que interessa a vida da maioria das pessoas, padaria, farmácia, açougue, supermercado, barzinho, uma rua cheia de comércio e de gente indo e vindo, mas... O condomínio tem segurança. A segurança poderia ter sido conquistada de outras maneiras, caso a sociedade brasileira e o poder público quisesse, que não construindo feudos medievais.
A pergunta é: o que mais Rio Preto vai abrir mão, de tudo de bom que ela já tem, e que cidades mundo afora tentam reconstruir, para morar nestes empreendimentos imobiliários cheios de conceitos “novos”? Luciano Alvarenga

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…