Pular para o conteúdo principal

From Russia With Love: Fotógrafa cria projeto mostrando como vivem casais homossexuais na Rússia

http://www.pessegadoro.com/2013/10/from-russia-with-love-fotografa-cria.html



Temos acompanhado na mídia que a situação da Rússia como um todo não está das melhores. A economia não vai bem, alguns lugares praticamente virando "cidades fantasmas" por conta das pessoas estarem migrando para outras regiões em busca de melhores condições de vida, além de toda repressão e ódio aos homossexuais por conta da gestão do presidente Vladimir Putin que incentiva a intolerância na sociedade, inclusive, promovendo um "safári gay", onde a pessoa que quiser pode "caçar" algum homossexual recebendo uma recompensa de 250 rublos, algo em torno de 18 reais para criarem um banco de dados com possíveis pedófilos, que na maioria são apenas jovens estudantes.

Por conta disso, a fotógrafa Anastasia Ivanova viajou para a Rússia para saber como vivem casais lésbicos com toda a cultura anti-gay que existe no país e também com se sentem em relação ao fato e as incertezas que o futuro reserva, criando assim o projeto "From Russia With Love" (Da Rússia com amor, em tradução livre).

Confira:

 Zhanna, 25 e Katerina, 20


"Já se passaram dois anos desde que nos conhecemos. Nossos caminhos cruzaram primeiro em um festival em São Petersburgo, onde Zhanna participou como voluntária. Nós conversamos e trocamos os números do telefone, antes de ir no nosso primeiro encontro onde Zhanna disse que nunca iria embora. Ela não fez e hoje ainda somos felizes juntas. 
As pessoas tendem a olhar para nós com uma mistura de surpresa e desaprovação quando expressamos demonstrações de afeto. Às vezes, podemos ouvi-los dizer sobre Zhanna: "É um menino?"
A situação dos direitos humanos na Rússia parece estar a piorar com o passar do tempo. Gostamos de acreditar que um dia o país vai ser livre e feliz, mas na realidade as políticas que o nosso governo está tentando implementar não parecem ser aquelas que levam a um futuro brilhante.
Eventualmente, o nosso plano é deixar o país e ir para a Europa. Dessa forma, podemos viver a nossa vida ao máximo e parar de se esconder de distância."

Victória, 24 e Dasha, 27


"Nascemos e fomos criadas na mesma cidade. Apenas mais tarde que nos deparamos uma com a outra, depois de termos sido apresentadas por amigos em comum em São Petersburgo.
Lá fora, sempre ficamos de mãos dadas e nos beijamos na bochecha. Às vezes, você vai pegar um olhar e uma vez tivemos uma experiência ruim, quando alguém jogou uma pedra enquanto estávamos andando de mãos dadas no parque.
Victoria trabalha para uma organização LGBT, por isso ela é muito bem informada sobre a situação dos direitos gay na Rússia. A sociedade aqui tem uma atitude bastante agressiva em relação à homossexualidade. É principalmente por causa do governo, que está incentivando a homofobia e fazer as pessoas LGBT muito vulnerável. Sua lei absurda sobre 'propaganda gay e transexual' mostra que a discriminação é legalizada.
As coisas poderiam ter sido muito diferentes para nós. Apenas duas semanas antes de nos conhecermos, Dasha estava planejando se mudar para a República Checa, mas o nosso encontro mudou isso.
Hoje, nós amamos viver em São Petersburgo, mas entendo que pessoas como nós não podem ter uma vida tranquila aqui. Esperemos que um dia a gente tenha um Jack Russell terrier. Agora, nós só queremos a simples felicidade humana."

Irina, 27 e Antonina, 31


"Temos amigos em comum e um pouco de sorte nas redes sociais para agradecer nosso primeiro contato. Depois disso, demorou apenas alguns dias de conversa pela internet e telefone antes de decidirmos se encontrar. Quatro anos depois, ainda estamos apaixonadas.
Somos muito reservadas em público. Nós nunca nos beijamos apaixonadamente na frente de
pessoas, da mesma forma como se fossemos um casal heterossexual. Há algo muito pessoal sobre demonstrar afeto.
Os gays não têm quaisquer direitos legais na Rússia. Com a nova lei, nossas relações estão em algum lugar entre o legal e o ilegal. É tudo muito triste.
No futuro, tudo o que queremos é manter a nossa pequena família unida.Talvez, se tivermos sorte, um dia teremos um filho."

Kate, 29 e Nina, 32


"Uma tragédia nos uniu. Kate estava comemorando o aniversário de sua amiga em um barco quando ele colidiu com outro. Nove das 16 pessoas a bordo morreram, mas Kate sobreviveu, e Nina estava entre aqueles que chegaram ao local. Demorou cinco meses para perceber que estava apaixonada e que gostaria que ficássemos juntas.
Antes de nos conhecermos, Nina era casada. Agora estamos juntas a um ano e meio. Em público, tentamos não esconder nossos sentimentos, nós damos as mãos e nos beijamos livremente, mas a situação dos direitos gay na Rússia vai acabar mal. O modo como vivemos nos faz parecer como bandidos.
Neste momento, o nosso futuro é incerto. Embora nós não queremos guerra ou revolução, queremos viver abertamente. Na Rússia, parece que isso não será possível."

Olgerta 54 e Lisa, 48


"Quando nos apaixonamos estávamos ambas com uma idade pouco mais avançada. Cada uma de nós pensou que uma bela história romântica nunca iria acontecer com a gente, mas depois da reunião na
Associação de Gays e Lésbicas de Moscou em 2008 e troca de cartas todos os dias, logo percebemos que não poderíamos ficar separadas.
Fomos militantes há quase 15 anos. Muitas coisas que foram alcançados na Rússia durante o século passado foram eliminados nos últimos dois anos. E ele não está ficando melhor. Muitos homossexuais estão sendo demitidos do trabalho. Eles estão presos em protestos, presos, espancados, assassinados, e até mesmo com medo de perder seus filhos por causa das reivindicações que, vendo os gays vão prejudicar a saúde e desenvolvimento mental.
Às vezes, nossos amigos gays na Alemanha, Estados Unidos ou Inglaterra falam sobre suas
vidas, e sentimo-nos como se fosse outro mundo. Sem dúvida, eles pensam o mesmo sobre nós, quando nós dizemos-lhes da situação na Rússia.
Nosso futuro é simples. Devemos sair daqui"

Olga, 32 e Ulia, 28


"Nós nos conhecemos através de amigos em comum, mas não como você pensa. Ulia costumava viajar para Moscou, em uma viagem de negócios a partir de São Petersburgo e em uma visita que ela perdeu seu telefone. Sozinha no hotel e sem seus contatos, ela pediu a um amigo para achar alguém para lhe fazer companhia. A pessoa que chegou foi Olga.
No começo era estranho, porque nós não nos conhecíamos muito bem, mas a noite fomos conversando e surgiu algo mais profundo. Ulia partiu para São Petersburgo pela manhã, mas mantivemos contato, e passou meses viajando entre as duas cidades e Recentemente ela deixou seu emprego e se mudou para Moscou.
Apesar de se sentir mais livre na cidade, só demonstramos nosso afeto quando estamos certas de que as pessoas ao nosso redor são tolerantes. Não há direitos dos homossexuais na Rússia.
Por enquanto, nós só queremos viver."

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…