Pular para o conteúdo principal

FIFA ACUADA EM DEBATE SOBRE A COPA

Camila Nobrega e Rogério Daflon
Do Canal Ibase 

Fifa na plateia do debate. Foto: Camila Nobrega
Na plateia, dois funcionários da Fifa, vestidos como executivos. Projetados num quadro à frente, dados sobre o número de pessoas removidas na cidade do Rio – 50 mil – em função dos megaeventos.  Esse cenário se completou ontem (17/10) com a presença do jornalista inglês Andrew Jennings (aquele que provocou a renúncia de Ricardo Teixeira, mandachuva do futebol internacional e da CBF), cuja palestra foi anunciada como “Jogo Sujo: Venha conhecer a Famiglia Fifa”. Sob pressão, os dois se comprometeram a marcar um encontro da Fifa com representantes da sociedade civil brasileira em breve, a fim de ouvir as violações aos direitos humanos que vêm sendo denunciadas nos protestos.
Antes, a dupla escutou as considerações do professor Carlos Vainer, do Ippur/UFRJ, e Gustavo Mehl, do Comitê Popular da Copa e das Olimpíadas, nada simpáticas à associação. Andrew radicalizou o discurso, fazendo afirmações sobre a corrupção de cartolas da entidade e perguntando aos representantes do órgão se eles concordavam com a expulsão dele da sede da Fifa, em Lousanne, na Suíça:
- Se vocês concordam, por favor levantem os braços.
Os dois se entreolharam e não se mexeram. Nesse momento, os presentes no auditório no Sindicato dos Jornalistas, no Centro do Rio, começaram a gritar “Fora, Fifa”. Ao perceber que os dois nada entendiam, traduziram: “Fifa, Go Home”.
Os dois funcionários da Fifa pediram a palavra. O clima esquentou. Alguns momentos vão entrar para a história. Diretor de comunicação da Fifa, Alexander Koch, a certa altura, pegou o microfone e perguntou:
- Vocês acham mesmo que os brasileiros querem tirar a Copa do país?
O coro unânime caprichou na pronúncia com um sonoro “Yessssssssssss”, que se seguiu pelo de “não vai ter Copa, não vai ter Copa”. Foi quando Koch percebeu onde havia se metido.
O executivo quis então dissociar as ações da Fifa das do governo brasileiro. Afirmou que não concorda com remoções de famílias. Mas, segundo ele, a entidade não tem como controlar isso.
- Cada governo resolve como vai fazer a Copa. Não temos como interferir nisso – disse Koch, que, junto com mais um funcionário, avisou à direção do sindicato, por volta das 17h, que iria participar do debate que começaria às 19h.
Parecendo ainda alheio a alguns acontecimentos mais recentes no Rio de Janeiro, ele afirmou, porém, que a remoção de pessoas para a Copa do Mundo na África do Sul repercutiu mal para o órgão internacional:
- Removiam as pessoas para quilômetros de distância de suas casas. Era péssimo para nós – disse ele, encurralado por jornalistas já dentro do elevador, para ir embora, sem fazer referência, no entanto, à repetição da situação no Rio. (Veja aqui vídeo do momento)

Vainer interpela funcionários da Fifa. De costas, o jornalista Andrew Jennings. Foto: Camila Nobrega
O professor do Ippur/ UFRJ Carlos Vainer havia discursado logo antes, apresentando dados sobre a retirada de famílias de seus locais de origem, para dar lugar a obras de infraestrutura para os megaeventos. Ele também fez uma dura crítica à repressão de manifestantes que estão denunciando a violação de direitos humanos na cidade do Rio:
- Na ditadura militar, foram removidas cerca de 25 mil pessoas. Agora estamos falando de mais de 50 mil. E ainda criminalizam o direito de manifestação política. A democracia terá que ser conquistada na luta e nas ruas.
Em determinado momento, Vainer se irritou com os representantes da Fifa, que insistiam em afirmar que, segundo pesquisas, a Copa será benéfica para a maioria dos brasileiros. Logo, as pessoas ali presentes representariam uma minoria.
- Minoria são vocês no nosso país – retrucou o professor.
A partir daí, uma intensa sabatina começou. Perguntas como “Por que nos impuseram a Lei Geral da Copa?”; “Qual será o lucro da Fifa com o evento no Brasil”; “O que vocês estão achando das manifestações?” deram o tom e tiveram respostas surpreendentes. Sobre a lei, eles disseram que não sabiam do que se tratava. Na segunda, a resposta foi: US$ 2,1 bilhões, a serem revertidos a Copas do Mundo de categorias de base. Na última, saíram pela tangente dizendo que são a favor dos protestos pacíficos.

Ficou acertado, então, que o pedido de uma reunião aberta da sociedade civil brasileira com a Fifa seria levado ao alto escalão da entidade. A plateia queria mais. O pedido era que ali fosse firmado um compromisso: com violência e remoções, não haverá Copa. Não aconteceu.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…