Pular para o conteúdo principal

É proibido proibir, menos biografias

Luciano Alvarenga

A discussão e polêmica em torno do direito de se biografar alguém, ainda que sem autorização do biografado, tomou conta do país e, juntou gentes as mais diferentes, Caetano, Chico com o deputado Bolsonaro e, separou as iguais; Ney Matogrosso.
Essa questão nada mais é que a renovação de um dos traços mais mal resolvidos da cultura brasileira, a ideia de público e privado. Como imortalizou em Raízes do Brasil o espaço público no país é uma extensão do espaço doméstico, da casa. Questão, aliás, que o próprio Gilberto Freire também trata por outros caminhos.
Aqui, o espaço público está infestado e dominado pelos interesses privados, quase sempre dos grupos dominantes, que lhe corrompem o sentido e transfigura seus significados e papel social. Ao mesmo tempo em que o público não é público suficientemente, o privado também passa a ser corrompido pela maneira como interfere e transforma o espaço público.
Assim é que figuras da cultura nacional como Caetano, Chico e Milton Nascimento, entre outros, que transformaram, a partir de sua ação no espaço público, a cultura e a vida nacional nos anos 1960 e 1970 e, fazendo isso inventaram a si mesmos como figuras públicas, pela posição que assumem, hoje, favoráveis a censura de biografias não autorizadas renovam e aprofundam a mal entendida relação entre o que é público e privado no Brasil.
A questão que se coloca é se Caetano, Chico e Milton, e também Djavan e outros, são donos de suas biografias. Não é a biografia de qualquer um que está em questão, até mesmo porque não parece que a biografia de qualquer um esteja sendo motivo dessa peleja. Estes cantores se construíram e construíram uma cultura em que foram protagonistas, mas que se forjou no espaço público da vida nacional. Caetano não seria quem é sem seu papel público; foi o público que reverberou Caetano dando a ele consciência e substância como ser público.
O que se quer dizer é que estes personagens da cultura nacional não são donos de suas biografias, não podem simplesmente agora, a posteriori, tentar esconder da sociedade aquilo que foi construído e criado publicamente dentro dela. Se estes personagens não são hoje o que foram no passado, suas memórias são. A questão aqui é sobre seu passado, sua trajetória e como ela se imbrica com a cultura nacional e os descaminhos do país.
Não é possível contar a história do Brasil nesse período sem apontar a participação interferente destes personagens. Se assim é, proibir suas biografias é proibir de se conhecer a própria história do país em sua inteireza.
É importante dizer que o que está em questão é que não sendo mais personagens contemporâneos da cena nacional, pelo menos como foram no passado, tais figuras querem agora, como é próprio de todos aqueles que têm poder para tanto, impedir que sua história seja contada de alguma maneira que macule aquilo que eles querem, a posteriori, manter como ideal. Coisa, aliás, bastante típica entre ditadores, coronéis e mandatários autoritários.
Assim como a Anistia preservou o julgamento e condenação dos agentes e personagens da ditadura, mantendo tudo em silêncio e obscuro, querem nossos ícones da música e da cultura nacional impedir que sua história seja contada para além daquilo que podem controlar. Querem controlar o que acontecerá com suas histórias depois que morrerem, desconsiderando que suas histórias estão feitas.

A luta do Procure Saber, grupo formado pelos ícones da cultura nacional interessados em censurar biografias, é mais uma evidência do quanto público e privado no Brasil é algo estranhado e, quase sempre determinado pela força que alguns setores da sociedade brasileira têm de fazer público interesses privados e, tornar privado coisas que são públicas.  Luciano Alvarenga

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…