Pular para o conteúdo principal

A graça de uma vida mínima

Sugerido pelo meu amigo 

Vagner Marcelo Dos Santos

Entenda por que um jovem empresário americano trocou sua mansão de 440 m² por um pequeno apartamento de 40

por Graham Hill
Faz parte da nossa natureza: queremos ter mais coisas o tempo todo. Essa lógica funcionava bem há 200 anos, quando tínhamos acesso a bem poucos produtos. Se pintava a oportunidade de conseguir algo que tornasse nossa vida mais fácil, era bom mesmo aproveitar. Hoje, porém, podemos ter muito mais do que precisamos. As lojas estão abarrotadas de artigos baratos da China e fazem nosso mecanismo biológico acumular até enlouquecer. Isso também é parte de nossa cultura: como a oferta de produtos é ilimitada, os anunciantes nos dizem que precisamos comprar mais para manter a máquina do consumo a todo vapor. Ter uma TV gigante e novinha já não é desejo, mas uma necessidade.

Só que cada coisa nova que agregamos às nossas vidas tem custos escondidos. Casas maiores consomem mais energia, mais impostos, mais manutenção. Um carro grande e luxuoso gasta mais combustível e tem a mecânica mais cara. E à medida que compramos as coisas, precisamos de mais espaço para guardá-las. Nos últimos 60 anos, por exemplo, o tamanho médio de um apartamento novo nos EUA aumentou de 91 para 230 metros quadrados. Ocupamos três vezes mais espaço, e continuamos acumulando objetos. De repente, nossas vidas se tornam caras e complicadas. Acabamos trabalhando mais simplesmente para manter o que adquirimos.

Eu levei tempo para perceber isso. Tudo começou em 1998, quando vendi uma empresa de consultoria de internet, a Sitewerks, por uma grana que nunca pensei que ganharia na vida inteira. Comprei uma casa de 440 m² no bairro mais caro de Seattle, apinhada de eletrônicos, roupas, móveis e carros na garagem. Nada mal para um garoto de 20 e poucos anos. Mas a novidade logo virou rotina. Meu Nokia novo já não me satisfazia. As coisas que eu consumia acabaram me consumindo. Eu me sentia mais ansioso do que antes.

Precisei viver um grande amor e viajar bastante para perceber que nada daquilo era essencial. Passei anos rodando o mundo com minha namorada na época. Moramos em várias cidades, conhecendo pessoas interessantes e trabalhando em projetos divertidos. Fizemos tudo isso com um par de malas. Eu tinha grana suficiente para viver numa mansão, mas o que me fazia feliz era viajar por aí, ter grandes experiências e estar apaixonado. Aprendi a dar valor à flexibilidade que eu tinha por possuir poucas coisas. E iniciei o projeto Life Edited (Vida Editada) para buscar soluções nessa área.

Hoje, moro num apartamento de 40 m² em Manhattan com todo o conforto que preciso. Até quarto de hóspedes. Ele foi projetado para uma quantidade reduzida de coisas - as prediletas. Tudo nele é eficiente: minha cama fica embutida na parede e se abre quando vou dormir. Tenho duas TVs: uma na verdade é um telão que fica enrolado numa parede móvel, a outra é também o monitor da minha estação de trabalho. A mesa é mínima e pode ser ampliada para um jantar de até dez pessoas. Não possuo CDs ou DVDs (salvo tudo na nuvem). Tenho só seis camisetas na gaveta e dez tigelas na cozinha. Uma tigela cabe dentro da outra para ocupar pouco espaço, como tudo na casa. Você também pode editar sua vida. Por que guardar aquela calça que não usa há anos? E por que ter um fogão de seis bocas quando raramente usa três?

Não é fácil mudar assim. Tendemos a acreditar que nós somos as coisas que compramos. Que elas indicam nosso grau de sucesso e nos farão felizes. Pagamos caro por um relógio achando que ele vai mostrar aos demais o quanto somos bem-sucedidos. Porém, minutos depois não nos sentimos mais felizes nem mais bem-sucedidos. Essa foi a lição que aprendi nesses 15 anos: uma vez que você tem suas necessidades básicas cobertas - segurança, casa decente, poder sair para jantar, um dia ou mais de descanso por semana, férias -, não há muito mais a fazer para aumentar sua felicidade.

Não estou dizendo que todos devem viver em 40 m². Mas considere os benefícios de uma vida editada. Com menos coisas para guardar e manter, você ganha mais liberdade e um pouco mais de tempo. Só vamos cultivar uma relação equilibrada com o consumo quando começarmos a valorizar as coisas que de fato nos fazem felizes, como os relacionamentos, a família, os amigos e as experiências. Meu espaço é pequeno. Mas minha vida é grande.


*Graham Hill é fundador e CEO de LifeEdited.com e criador da TreeHugger. É formado em arquitetura e design de produtos. Em depoimento a Eduardo Szklarz.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Classe média alta de Rio Preto no tráfico de drogas

Cocaína e ecstasy rolam solto na alta rodaAllan de Abreu Diário da Região Arte sobre fotos/Adriana CarvalhoMédicos são acusados de induzir o consumo de cocaína e ecstasy em festas raveFestas caras com música eletrônica e bebida à vontade durante dois ou três dias seguidos, promovidas por jovens de classe média-alta de Rio Preto, se tornaram cenário para o consumo de drogas, principalmente ecstasy e cocaína. A constatação vem de processo judicial em que os médicos Oscar Victor Rollemberg Hansen, 31 anos, e Ivan Rollemberg, 25, primos, são acusados pelo Ministério Público de induzir o consumo de entorpecentes nesse tipo de evento.

Oscarzinho e Ivanzinho, como são conhecidos, organizam há seis anos a festa eletrônica La Locomotive. A última será neste fim de semana, em Rio Preto. Cada festa chega a reunir de 3 mil a 4 mil pessoas. Segundo a denúncia do Ministério Público, os primos “integram um circuito de festas de elevado padrão social e seus frequentadores, em especial os participa…