Pular para o conteúdo principal

A Alemanha tem 15 sindicatos, o Brasil tem treze mil


Guia das novas profissões. Nelson Motta, O Globo

Com 17 anos, meu neto está na idade de escolher uma profissão. Feliz de quem já sabe o que quer fazer para viver, a maioria quase sempre só tem dúvidas, como o avô no seu tempo, que queria mas não tinha talento para ser músico, estudou para ser designer, mas criou as filhas escrevendo letras de música, livros e crônicas de jornal.

Meu neto já fez sua escolha, mas tentei chamar sua atenção para opções mais modernas, que só o Brasil de hoje oferece. Quando eu tentava escolher uma profissão em 1961, ninguém podia imaginar ter uma igreja, mas hoje há até anúncios em jornal de cursos para criar igrejas.

Ser famoso por 15 minutos não é nada, ter sua própria igreja supera a profecia de Andy Warhol, rende e dura mais do que a fama e é tax-free.

Num país onde quase todas as organizações não governamentais vivem de verbas governamentais, ter a sua própria ONG é uma das melhores opções profissionais. Qualquer ONG, com qualquer finalidade, o mais trabalhoso é conseguir as verbas para os “cursos de capacitação”, depois é pagar as comissões e correr pro abraço.

A Alemanha tem 15 sindicatos, mas o Brasil tem treze mil. Aqui é mais fácil abrir um sindicato do que uma empresa, basta o apoio de alguma das várias centrais.

Há dinheiro para todos: o imposto sindical garante um dia de trabalho de cada brasileiro para ser dividido entre eles. Além disso, sindicalista se tornou uma das profissões mais valorizadas do país, com altos cargos e salários em ministérios e estatais.

Um partido político dá mais trabalho para criar do que um sindicato, custa bem mais caro, mas qualquer zé-mané pode fazer o seu. O investimento é grande, mas é uma fábrica de dinheiro e vantagens.

O “militante funcional” é outra carreira em ascensão. Nada de agitar bandeirinha e gritar slogans na rua. Com o aparelhamento de ministérios e estatais, qualquer funcionário, concursado ou não, de qualquer profissão, deve se filiar ao partido no poder para garantir suas promoções e cargos, não como nomeação política, mas como “técnico de carreira”.

Mas não adiantou nada, meu neto quer ser advogado, gosta de justiça e de Direito.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…