Pular para o conteúdo principal

Padre virou emprego, paróquia, empresa

Luciano Alvarenga
O Papa esteve no Brasil e surpreendeu. Andou em carro que não era limusine, tomou chuva e pisou no barro onde nem político gosta de ir, deixou o povo chegar perto, tocar, beijar, ver e sentir. O Papa foi embora, mas a Igreja ficou. E sobre ela vamos falar um pouquinho.
É claro que estamos convivendo, os fiéis pelo menos, com outra geração de padres. Mais jovens, menos preparados, mais afoitos, menos carismáticos, mais interesseiros, menos envolvidos, mais preocupados com o dízimo, menos preocupados com a pastoral, mais modernos e abertos, menos fecundos e místicos. Senão todos, muitos. Há exceção, sim.
Nas antigas gerações encontramos também exemplos, às vezes, piores, posto que tenha a seu favor a idade e a experiência em dissimular, enganar e manipular.
Chama a atenção o fato de que virou mania entre os padres, as grandes obras. Todo padre quer deixar uma marca, nenhuma tem a ver com fé, pastoral, mística, mas todas têm a ver com templos enormes, Igrejas novas, salões maiores e tudo em nome da comunidade. Torres que devem ser vistas de todos os pontos da cidade, projetos sociais que devem mudar a cara da juventude, salvar os doentes, Igrejas que caibam milhares de pessoas sentadas e, por ai vai.
E dessa maneira sangram a comunidade com ofertas, dízimos, festas, bingos, rifas, quermesses, e, tudo em nome das grandes obras. Ao mesmo tempo em que condena nos sermões o consumo conspícuo dos fiéis, lhes tiram às bolsas em festinhas, bingos e almoços que não tem fim. Construir, esse é o verbo dos padres. Se o que fazem, fazem pela comunidade ou, em nome de uma marca própria, o que é mais provável, que buscam não se sabe exatamente. Depõe contra os padres sua conhecida vaidade. Vaidade que quase sempre os tornam arrogantes, impetuosos, vingativos e intolerantes.
Enquanto se erguem shoppings por toda a cidade, erguem-se atrás os templos e seus similares. De repente os eclesiásticos foram tomados por uma vocação malufista das obras. Ninguém mais se interessa pelas almas, mas onde alojá-las quando estiverem atormentadas. Padres concorrem com os políticos no afã de conquistar os fiéis, e, o fazem pelos olhos. Quanto mais um padre constrói na sua paróquia, mais influencia fora dela.
A vaidade dos padres não raras vezes, para não dizer quase sempre, os torna alegremente parceiros de políticos sabidamente suspeitos, para não dizer “condenados”, em eleições em que os tais padres testam sua força, reafirmam sua posição e isso tudo aos olhos de fiéis e eleitores que assistem, em muitos casos, atônitos, sermões e homilias de um ano inteiro ser desmentidos em palanques e microfones de pequenas festas. Aliás, quanto mais longe vão às obras de um padre maior é o alcance político que ele atinge. Vereador, deputado e até, governador. Se as obras e os amigos políticos dos padres não andam em coerência com as homílias que pregam, não importa.
Ao conversar com os tais padres, logo fica transparente o despreparo intelectual, a falta de liderança, a vazia espiritualidade, a imaturidade emocional, a confusão entre função e símbolo, enfim, a Igreja está tomada por uma febre executiva.  
Chama a atenção que no momento mesmo em que o discurso papal é desapego, o que estejamos vendo seja o que descrevo. Padre virou emprego, missa se transformou em tarefa e obrigação incontornável, e paróquia uma empresa que precisa dar lucro.
Não estranha que os velhos católicos estejam cansados e os jovens desiludidos, desencantados e desinteressados. Ou na melhor das hipóteses, confundindo Jesus com Genésio e achando os tais padres o máximo. Luciano Alvarenga
PS: A ausência da mulher na administração da Igreja e na participação simbólica com pastora, talvez explique bastante de tudo isso que acima se disse, elém de outras cositas máshttp://www.estadao.com.br/noticias/impresso,papa-fara-reforma--historica-diz-relatorio-,1079962,0.htm









Comentários

EDSON COSTA disse…
Um retrato fiel não somente na comunidade católica mais também nas evangélicas.

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…