Pular para o conteúdo principal

O dilema do Vitão


Paraibuna/SP

A depressão do Barros acabou criando uma situação nunca imaginada pelo Vitão, assumir o comando da prefeitura sem ter sido eleito. De repente, o Vitão é obrigado a lidar com todo tipo de problemas, e eles aumentaram bastante, sem ter sido ele quem conduziu o projeto de poder até aqui.
A cidade parece estar completamente abandonada, sem comando, sem direção. Não há nada em andamento, nada sendo decidido, nada sendo planejado e isso em função do fato de que não se sabe em qual momento o Barros pode voltar. A cidade entrou em piloto automático, entretanto, como os problemas abundam por todos os lados, a falta dágua no Alferes Bento por dias a fim, as estradas cada vez piores quanto mais máquinas existam para arrumá-las e, mais um sem números de coisas, tornam o trabalho do Vitão quase impossível. Se assume o comando de fato corre o risco de entrar em rota de colisão com o Barros uma vez que pode fazer as coisas de um jeito que o prefeito afastado não aceite. Se nada faz a espera do momento em que o prefeito retorne vai perdendo capital político e eleitoral tendo em vista que as pessoas estão ficando cada vez mais impacientes com o descalabro em que a cidade se encontra.
A situação do Vitão é inédita na cidade. Se assumir que é o prefeito terá que arcar com todo o prejuízo político de ter que responder por coisas que foram decididas, feitas ou não pelo Barros e, assumindo que é o prefeito, na situação em que a cidade se encontra, praticamente assume como prefeito em fim de mandato, tendo em vista que não tem os bônus daquilo tudo feito no primeiro mandato, e ainda tem que assinar pelos problemas críticos vividos agora.
A doença do Barros é o fator surpresa, que na política é comum, e que muda muita coisa na trajetória política do Vitão. A política do vice nesse segundo mandato seria se afastar cuidadosamente do Barros e se colocar cada vez mais como candidato a prefeito. Distanciar-se-ia de tal maneira que não parecesse abandono da atual administração, mas que deixasse claro aos eleitores que ele faria as coisas de outra forma. Dessa maneira, o Barros terminaria seu segundo mandato, provavelmente muito desgastado, e o Vitão se levantaria como aquele que faria as coisas diferentes e certamente fará se for eleito.
Assumir a prefeitura no segundo mês após a posse coloca o Vitão numa situação delicada, como disse acima. Se antes podia dizer que os problemas não eram culpa dele e que ele nada poderia fazer, agora tem a caneta na mão e pode, mas não fará por que as condições objetivas impedem. A melhor coisa que pode acontecer ao vice prefeito é que o Barros volte o quanto antes, ou...
Renuncia ao cargo, passa o comando ao presidente da Câmara que é de seu partido e, provavelmente, assumiria com alegria a função, e o Vitão se dedica a sua campanha, deixando claro que renunciou uma vez que não pode conduzir um projeto que não foi ele que começou.
Luciano Alvarenga

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…