Pular para o conteúdo principal

Historiador, jornalista e um dos maiores conhecedores da cozinha caipira João Rural lança novo livro



A comida caipira em seus primórdios
A busca pela autenticidade da formação da comida caipira durante pelo menos trinta anos, levou o culinarista João Rural, de Paraibuna, Vale do Paraíba paulista e produzir mais um livro sobre o tema. "No Fundo do Tachio" , com 240 páginas mostra em belas fotos, receitas e entrevistas um pouco do que ainda resta na culinária regional do Vale do Paraíba. Em alguns casos João conseguiu quebrar tabus sobre usos e costumes e pratos regionais. É o caso da folha de bananeira tão falada e usada na atualidade pra assar peixes e carnes. "Na realidade eram as folhas de caetê e helicônia", afirma ele, argumentando principalmente que no Brasil não havia bananeira, além de outras colocações.
O livro revela também que o famoso bolinho caipira tradicional do Vale,  veio da moqueca caipira, tão usada no passado. "No frigir dos ovos", como afirma João, o livro revela que o Vale do Paraíba foi realmente o berço da formação dos pratos tradicionais paulista e mineiro, devido aos primeiros caminhos, bandeiras e tropeiros que por alí passaram desde o descobrimento.
O livro inova também nas fotos, onde o autor procurou colocaar as comidas caipiras nas . " Fugi da mesmice de pratos arrumadinhos, que estamos acostumados a ver em revistas e cadernos especializados em culinária", ressalta João, alegando que a idéia é mostrar a comida caipira, como o caipira faz e serve no seu dia a dia.  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Classe média alta de Rio Preto no tráfico de drogas

Cocaína e ecstasy rolam solto na alta rodaAllan de Abreu Diário da Região Arte sobre fotos/Adriana CarvalhoMédicos são acusados de induzir o consumo de cocaína e ecstasy em festas raveFestas caras com música eletrônica e bebida à vontade durante dois ou três dias seguidos, promovidas por jovens de classe média-alta de Rio Preto, se tornaram cenário para o consumo de drogas, principalmente ecstasy e cocaína. A constatação vem de processo judicial em que os médicos Oscar Victor Rollemberg Hansen, 31 anos, e Ivan Rollemberg, 25, primos, são acusados pelo Ministério Público de induzir o consumo de entorpecentes nesse tipo de evento.

Oscarzinho e Ivanzinho, como são conhecidos, organizam há seis anos a festa eletrônica La Locomotive. A última será neste fim de semana, em Rio Preto. Cada festa chega a reunir de 3 mil a 4 mil pessoas. Segundo a denúncia do Ministério Público, os primos “integram um circuito de festas de elevado padrão social e seus frequentadores, em especial os participa…