Pular para o conteúdo principal

8 de março

Drops 


Além dessas questões, é preciso lembrar que as mulheres fizeram conquistas sim. Não acredito que antes a vida das mulheres fosse mais fácil do que é hoje. Mas não se pode buscar uma solução indo ao passado. Talvez esse passado nos sirva como ponto de partida para entender o que aconteceu com as mulheres, mas não deveria ser um paraíso almejado e colocado em discurso e em prática por muitas mulheres e homens. Isso é simplesmente um anacronismo! Um dos discursos mais correntes é o de que as mulheres não têm crise alguma, afinal, superaram as "amarras" do passado e agora estão livres (mas, praticamente apenas para consumir). O problema disso é que para consumir elas têm de se escravizar, casar com o trabalho e usar uma máscara de felicidade e "zero drag", um ar de satisfação sexual, riqueza blasé, estar em forma, ou seja, as amarras continuam, mas são de outro tipo.
Por outro lado, há a ala do ressentimento no universo feminino. Mulheres que de alguma maneira se sentem frustradas com o excesso de trabalho, com a ausência masculina para resolver problemas difíceis, com a traição de outras mulheres, a quem atribuem os piores adjetivos e também a culpa pelas dificuldades que vivem. A raiz disso parece ser uma imagem negativa que elas têm de si mesmas já que são também mulheres fortes, independentes e que resolveram quase tudo sozinhas. Culpam outras mulheres como se essas também não tivessem as mesmas angústias. Equivocam-se na leitura de um passado do qual não conhecem os pormenores, ou então idealizam a importância social das mulheres naqueles tempos, como se reconhecimento social fosse algo automático. Parece que as mães e avós não contaram direito suas histórias às filhas... Alba Lucis


Mulher - os tempos são outros
É claro que as transformações que se operaram, tendo a mulher como protagonista, mudaram radicalmente a vida das mulheres e ainda continua a mudar. É claro também que nem tudo são rosas nestes novos tempos. Boa parte daquilo que a mulher colhe hoje como problemas e situações difíceis que ela vivencia em seus espaços doméstico e de trabalho resulta também como um ônus a ser pago pelas imensas vitórias que alcançou nestas últimas décadas. Luciano Alvarenga

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…