Pular para o conteúdo principal

Sobre o sentido das coisas. Uma hstória pessoal

Estava voltando hoje da Unirp, onde estou lecionando, e me dei conta de que a muitos anos não me sentia tão feliz numa escola. Depois de um ano sabático, que foi a melhor coisa que eu pude fazer, voltei com as energias renovadas, contente por estar de volta à sala de aula ( Em relação a essa volta agradeço de forma especial a Professora e Arquiteta Delcimar Teodozio, coordenadora do curso de Arquitetura da Unirp).
Ao chegar em casa, passando em revista e-mails, notícias, etc eis que me chega uma mensagem de um ex-aluno meu que eu compartilho com vocês para que melhor entendam, pelo menos aqueles que por algum motivo não podem entender ou até então não quiseram ou mesmo se esforçaram nesse sentido e, uma vez compreendendo, possam entender o que significa ser professor. Luciano





Estimado professor Luciano,
Certamente não se lembrará de mim, porém fui um dos tantos alunos que posso dizer ter tido a sorte de estar em suas aulas, isso foi no primeiro semestre de administração em 2007 pela UNILAGO. talvez se tua memória ajudar se lembrara de um pirralho de 19 anos que em uma de suas aulas atendeu o celular e quando o senhor me repreendeu eu simplesmente disse "perai que é importante essa chamada eu não posso cortar", não é algo bonito eu sei, e sinceramente na época tinha consciência, porém o "estrelismo"(pra não dizer idiotice) sempre me perseguia.
Bom a razão pela qual lhe escrevo primeiramente é para dizer que ainda que o único fato marcante que aconteceu entre nós seja algo negativo e mesmo que possa parecer somente algúm tipo de adulação tardia, não houve uma única aula sua que perdi, e ainda sem demonstrar apreciava muito, pois mais que um professor o senhor nos dava exemplos de vida, faz poucos minutos lí sua biografia no facebook e fiquei feliz por ver que minha memória não me traiu e cada palavra que o senhor disse em sala realmente ficou gravada em minha vida, te conto um pouco sobre minha trajetória desde a última aula do senhor que assisti e a data de hoje especificamente e lhe explico o motivo desta mensagem.
Após o término do semestre eu simplesmente decidí abandonar a faculdade, pois não era algo que me completava, estava alí somente pela festa e toda essa "explosão" universitária, pois então decidi cortar o que me incomodava(o curso) e viver o que eu queria(as festas), passei longos anos de festas, viagens, curtição e também de reflexão, sobre "quem eu queria ser", sempre me lembrei de uma de suas aulas quando contou sobre o seu começo, o que fazia antes de começar a estudar, como via a vida e me lembro que justo nesta aula a terminou dizendo "vocês que estão aqui por que estão aqui ? por que realmente querem estar ou por que não tem nada pra fazer em casa ou simplesmente seus pais disseram pra vir ? não é mais glorioso ou mais vergonhoso entrar na faculdade com 18 ou com 50, contanto que tenham bem claro o que estão fazendo e o façam bem feito." essa frase me perseguiu por todos esses anos e justamente no dia de hoje consegui me inscrever para a carreira de Antropología, que sempre foi uma paixão minha, junto com história e outros temas relacionados, para uma pessoa qualquer poderia parecer uma bobagem, mas para mim foi a prova de que meu esforço foi recompensado, já que não vivo mais no Brasil, vivo no Uruguay e tive que fazer milhares de certificados e legalizações para ter o direito de me inscrever na faculdade pública daqui, gastei meses e muito dinheiro para ter o mesmo direito que um uruguayo tem só porque aqui nasceu, e essa é minha grande vitória, fui, lutei, argumentei e finalmente me permitiram entrar, tive que mostrar não só que sou capaz de seguir um curso em um modelo que é bem diferente do que temos no Brasil como também em espanhol, provar que posso ser tão bom ou melhor que qualquer outro uruguayo para ter esse direito e talvez se não fosse pelo senhor lá atrás ter me "presenteado" com sua experiência eu não teria amadurecido como amadureci, e lhe escrevo porque me parece bonito isso, que o senhor saiba que um desses milhares de alunos que o senhor teve e tem durante sua trajetória se tornou um homem consciente em muitas partes graças a uma pequena atitude sua.
Tive o prazer de conhecer muita gente pelo mundo, crescer, ouvir suas histórias e também compartilhar aquilo que eu sabia dentre as quais mencionei a sua história para algumas dessas pessoas que em algúm momento passaram pela minha vida, o professor que foi um menino do campo e que venceu por acreditar em seus sonhos e me ajudou com sua história de vida ainda que sem saber, a me tornar quem sou. 
Ao senhor somente queria agradecer por tudo e desejar-lhe o melhor hoje e sempre, e que eu não seja o último nem o único a extrair o conhecimento que o senhor compartilha... hoje posso sim te dizer, volto pra faculdade e sei quem sou, quem quero ser e o que sou capaz de fazer...
Um forte abraço professor, que tenha um caminho iluminado hoje e sempre !! Guille Caratori

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…