Pular para o conteúdo principal

O mimetismo dos diários da região



Luciano Alvarenga
As ameaças sofridas pelo jornalista Rodrigo Lima, do Diário da Região, pelo vereador da Câmara de Rio Preto César Gelsi (PSDB) é o estopim para uma discussão que precisa amadurecer na cidade; o papel da Imprensa na cobertura da política local.
A credibilidade e aceitação dos políticos esta no nível mais baixo desde que se tem notícia sobre a medição dos ânimos da população em relação à classe política. Numa sociedade em que os problemas são crescentes e a certeza sobre a vida é cada vez menor, os políticos são vistos como privilegiados e acima do bem do mal.
Doutro lado, acoimados pelo desenvolvimento técnico das comunicações e a pulverização dos centros formadores de opinião numa miríade de arquipélagos na internet, os grandes e médios jornais impressos veem seu poder junto à sociedade diminuir rapidamente. Perdendo antigos leitores que migram para a rede e não conseguindo cativar os novos, o resultado é o sumiço dos anunciantes e o desaparecimento dos assinantes.
Pelo menos na última década tais transformações significaram não apenas a diminuição na força de antigos e tradicionais jornais, mas fundamentalmente o enfraquecimento do poder de pressão das poucas famílias donas da quase totalidade das mídias no Brasil. O que se viu a partir disso foi o desenvolvimento de um jornalismo rançoso, perseguidor, de destruição de reputações, e que visava mudar o rumo das coisas via mudança daqueles que estavam no poder. A Veja foi o padrão de jornalismo baixo, desonesto e partidário que uma infinidade de jornais menores e de menor expressão, ainda que importantes no contexto local, passaram a seguir. A corrosão da imprensa se deu na mesma velocidade em que ela partidarizou a cobertura jornalística. Partidarizada, a imprensa passou a morrer do mesmo mal que ela acusava na classe política.
O resultado foi o desenvolvimento diário de um jornalismo país afora que pouco estava interessado nos fatos, na notícia, mas sim, no que é possível fazer com os fatos. Nascia o jornalismo de escândalo, preferencialmente sobre a classe política eleita como o alvo a ser abatido. Tentando recuperar as vendagens, obrigados que tinham sido aos cortes de custos, dado o aumento exponencial da concorrência com a internet, assistimos nesta última década importantes jornais do interior praticando aqui o mesmo padrão de jornalismo precário, de escandalização de tudo, de destruição de reputações que se via e se fazia em larga escala pelos grandes jornalões nacionais com a revista Veja à frente.
Se os jornalões tinham razões políticas, além das econômicas, para a mudança de postura na cobertura jornalística nacional, os jornais do interior mudaram sem razão nenhuma senão por mimetismo. O fato é que os jornalões não lograram sucesso na mudança, não aumentaram suas vendas, senão pontualmente e de forma esporádica, e, os jornais locais além de continuarem perdendo leitores e importância, perderam com muito mais rapidez, credibilidade.
É claro que nada justifica a ameaça de morte feita ao jornalista Rodrigo Lima pelo vereador César Gelsi e, evidentemente, isso não pode ser aceito, mas é claro também que, provavelmente, esse absurdo é um desdobramento esperado de um tipo de subjornalismo praticado nestes últimos e fatídicos anos que vem agora cobrar seu preço.
Se a classe política é um alvo fácil para um jornalismo tradicional carente de manchetes que aumentem as vendas, o fato é que a má qualidade dos políticos se reflete agora na baixa qualidade dos jornais e da noticia que eles vendem.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…