Pular para o conteúdo principal

A esquerda no poder produz o novo Funk... Ostentação


Ostentação Alertado por Danilo Cymrot, pesquisador do funk paulistano, sobre a popularidade de um novo gênero, fui assistir no YouTube ao média-metragem "Funk de Ostentação", que estreou na internet no fim de 2012. O filme retrata, desde o título e com nitidez, fenômeno que parece empolgar os jovens da periferia de São Paulo, estendendo-se já para outros pontos do Brasil. Trata-se, em resumo, de um canto falado --para ouvidos distantes, lembra o do rap, mas que, à diferença desse, ao menos na versão de Mano Brown, em lugar de fazer denúncia do quadro social, exalta o poder de consumo que chegou às camadas de menor renda nos últimos anos. Cobertos por correntes de ouro, óculos escuros e tênis sofisticados, os MCs entoam versos pontuados por marcas famosas como Nike, Armani etc. Os clipes das canções, disponíveis na internet, mostram os cantores, rodeados por mulheres em roupas sumárias e posições insinuantes, a ostentar símbolos de luxo. Carros e motos de grife, garrafas de uísque importado e notas de dinheiro ilustram em imagens o que as letras dizem sem rodeios. O sentido geral seria traduzido por algo como: "Isso é o bom da vida e nós também podemos tê-lo". "Yes, we can." Sem entrar em aspectos estéticos, para cuja análise eu não estaria capacitado, dois elementos externos saltam à vista. O primeiro é a autenticidade da manifestação. Tal como no caso do rap, são vozes da comunidade falando para a própria comunidade. Pertencer a um circuito paralelo ao da grande indústria cultural, nascido de baixo para cima, organizado por bailes massivos e divulgação na rede de computadores, é motivo de visível orgulho dos funqueiros mostrados na película. Por outro lado, os valores expressos são justamente os que emanam do mundo da publicidade, que alimentam e são alimentados pela indústria cultural "adversária". Embora se deva ter muito cuidado ao criticar as opções ostentatórias --afinal, se a velha classe média o faz, por que o novo proletariado não poderia fazê-lo?--, é mister observar que o endeusamento de rótulos comerciais representa uma extraordinária vitória ideológica do capitalismo. Fundas contradições. Ao simbolizar o desejo imperioso e tenso de ter acesso aos bens que o mercado coloca nas vitrines, os artistas populares mostram a situação da luta de classes. Ao transformar a posse deles em razão de viver, expressam a ilusão de felicidade que a mercadoria traz consigo. PS - Em relação à coluna anterior, recebo de Maíra Saruê Machado, do Instituto Datapopular, a informação de que, segundo o Ipea, em 2009, das empregadas domésticas mensalistas, apenas 2,7% dormiam no domicílio em que trabalhavam. Bom sinal. André Singer é cientista político e professor da USP, onde se formou em ciências sociais e jornalismo. Foi porta-voz e secretário de Imprensa da Presidência no governo Lula.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…