Pular para o conteúdo principal

O SOM AO REDOR


O MELHOR DE
O SOM AO REDOR

Kléber Mendonça fez o melhor filme sobre o Brasil desde tempos imemoriais

Ajuda a imprimir a incômoda verossimilhança a fotografia limpa de Pedro Sotero.

O filme “O Som ao Redor”, do cineasta pernambucano Kléber Mendonça Filho, é o melhor filme sobre o Brasil desde tempos imemoriais.

Uma produção de R$ 2 milhões, rodada no apartamento do diretor, na rua Setúbal, na praia de Boa Viagem, em Recife,  só tem um ator conhecido: o excelente Irandhir Santos, do malfadado “Tropa de Elite – II” (tão sinistro quando o “I”).

O melhor é o Kléber.

Sutil, delicado, inteligente, mordaz, mortal como um golpe de peixeira.

Diretor e autor de um roteiro tão bem feito que lembra o melhor do cinema argentino.

O Som ao Redor é verdadeiro.

É tudo verdade.

Ninguém é falso, nenhuma situação fica fora de propósito.

Ajuda a imprimir a incômoda verossimilhança a fotografia limpa de Pedro Sotero.

Não tem concessões medíocres: não foi feito para um video-show vespertino.

O que é o melhor do Som ao redor ?

É que foi feito em Pernambuco.

Que saiu barato.

Que não tem nada a ver com esse círculo de ferro Globo- diretores publicitários que tanto pode fazer um filme em  Toronto quanto em Hollywood ou em Adis-Abeba.

Fica tudo lindo ! E igual ! E falso !

Uma homogeinização – que o Vladimir Safatle já denunciou – e que a Lei Rouanet e o Ministerio da Cultura reproduzem como cúmplices.

Kléber é a prova da vitalidade desse movimento de fuga do centro.

É a nova fronteira da cultura brasileira.

Em que os filhos vingadores se encontram com o usineiro de Fogo Morto.

Em que a classe média racista não resiste a 15′ de uma reunião de condomínio.

A Globo sufocou a cultura brasileira.

Cadê a dramaturgia ? Cadê o Plínio Marcos ?

Cadê a cinematografia ? Cadê o Nelson ?

Fernanda Montenegro faz uma ponta em novela.

Adriana Esteves, que podia ser uma das filhas do rei Lear, torna-se uma histérica rodriguiana.

Com Kléber, a cinematografia genuinamente brasileira deu uma banana para a rua Lopes Quintas e se instalou na rua Setúbal.

Onde se recomenda não cair no mar, por causa dos tubarões.

Veja o trailer oficial do filme:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Classe média alta de Rio Preto no tráfico de drogas

Cocaína e ecstasy rolam solto na alta rodaAllan de Abreu Diário da Região Arte sobre fotos/Adriana CarvalhoMédicos são acusados de induzir o consumo de cocaína e ecstasy em festas raveFestas caras com música eletrônica e bebida à vontade durante dois ou três dias seguidos, promovidas por jovens de classe média-alta de Rio Preto, se tornaram cenário para o consumo de drogas, principalmente ecstasy e cocaína. A constatação vem de processo judicial em que os médicos Oscar Victor Rollemberg Hansen, 31 anos, e Ivan Rollemberg, 25, primos, são acusados pelo Ministério Público de induzir o consumo de entorpecentes nesse tipo de evento.

Oscarzinho e Ivanzinho, como são conhecidos, organizam há seis anos a festa eletrônica La Locomotive. A última será neste fim de semana, em Rio Preto. Cada festa chega a reunir de 3 mil a 4 mil pessoas. Segundo a denúncia do Ministério Público, os primos “integram um circuito de festas de elevado padrão social e seus frequentadores, em especial os participa…