Pular para o conteúdo principal

Jornalismo: o jogo político econômico das empresas de noticias


Luciano Alvarenga

O que se vê mundo a fora é a denuncia de que imprensa e institutos de pesquisa eleitoral estão mancomunados na construção de uma realidade eleitoral que atenda seus prévios interesses. Há tempos que se discutem os interesses conflitantes entre Redação e comercial/empresa dentro de um jornal.
Até certo tempo atrás, pelo menos até os anos 1990 no Brasil, a Redação estava protegida dos interesses comerciais da empresa, tendo liberdade para construir seu editorial e mesmo permitir que os jornalistas fizessem jornalismo baseado na busca da verdade.
Este tempo é apenas lembrança hoje. O que se vê é que a Redação está completamente dominada pelos interesses comerciais da empresa e que aquilo que se veicula no jornal não deve de maneira alguma interferir muito menos ferir os interesses econômicos da empresa de noticias. O que temos então não é mais um jornal, seja impresso, ou eletrônico, o que temos é um ramal noticioso de uma empresa com múltiplos interesses econômicos que usa a mídia como apoio de seus interesses financeiros e políticos (aqui).
O que a sociedade tem diante de si não é mais uma imprensa preocupada em buscar a verdade e trazer o melhor ângulo da noticia. Mas uma imprensa que na verdade é apenas uma interface de uma grande empresa com interesses econômicos e políticos e que ela atende manipulando o noticiário de acordo com vontades e orientações que em nada dialogam com jornalismo sério e imparcial. (aqui)
As pesquisas de opinião, que em época eleitoral abundam pelo país, é apenas uma face bastante clara do fenômeno acima mencionado. Tendo em vista que do ponto de vista econômico e político o que importa não é a verdade, mas apenas que a pesquisa diga o que seus contratantes querem, o que temos é que as pesquisas não apontam mais a realidade eleitoral do momento, mas que indiquem a realidade eleitoral que se quer que acredite ser a verdade naquele momento.
Em melhores termos, as pesquisas não são feitas para que demonstrem a tendência do eleitorado, mas ao contrário, que afirmem o que se quer que o eleitorado faça. Mas é apenas quando tais pesquisas são veiculadas pela imprensa como verdades matemáticas, é que elas atingem seu objetivo. Tornam fatos consumados o que na verdade são realidades falsas arquitetadas nos bastidores de campanha. A mídia de noticia com seus múltiplos interesses políticos e econômicos serve como verniz de verdade a realidades falsas que tem como fim ludibriar o eleitor. É por essas e outras que cresce a credibilidade de blogs e sites independentes na mesma medida em que a mídia tradicional perde leitores e assinantes.
Por fim, não é demais afirmar que grandes jornais e canais nacionais e regionais operam na contramão da democracia à medida que mais preocupados com a manutenção de seu poder econômico e influência política do que com o desenvolvimento e maturação do processo democrático sempre renovado no andamento das eleições. As eleições viraram um negócio importante demais para ficar nas mãos do eleitor. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…