Pular para o conteúdo principal

A bestialidade da Imprensa



Tragédia e Espetáculo em Santa Maria
A tragédia de Santa Maria é resultado de uma roleta russa que envolve o descaso com a lei, a irresponsabilidade de empresários com a sociedade, a sanha do lucro rápido, o mais completo despreparo dos profissionais envolvidos nesses trabalhos em boates e, por fim, um idiota que resolve colocar fogo no palco e tudo isso praticado todos os fins de semana por centenas, talvez milhares de casas noturnas, todos os fins de semana Brasil afora. Sem a menor condição de funcionamento, não atendendo as determinações legais para que funcione com segurança o fato é que em algum momento em algum lugar a tragédia iria e continuará a acontecer.
Pouco há a comentar sobre tragédias como essas, os erros são notórios, as irresponsabilidades evidentes, e o que deveria ser feito algo incontornável. Mas o fato é que as apurações criminais como são de costume no Brasil não serão feitas como deveriam. Da tragédia criminal até o martelo da lei, caminharemos meses, talvez anos pelos escaninhos de investigações, apurações, condenações, recursos, instâncias até que as esperanças de que alguém seja responsabilizado seja uma dor vivida única e exclusivamente pelos familiares das vítimas. Não raras e tristemente sem nenhum resultado.
Tão triste como assistir a morte de mais de duas centenas de pessoas, é acompanhar a sanha midiática e a adrenalina das emissoras de TV em transmitir todas as imagens possíveis, arrancar qualquer fala de quem quer que seja que lá tenha estado e de alguma maneira possa ser apresentado como protagonista da horrorosa tragédia. Enfiados entre caixões, familiares inconsoláveis, parentes e amigos angustiados por informação, profissionais médicos e bombeiros vão eles e suas câmeras transformando tudo em espetáculo, banalizando as dores, os sentimentos indizíveis por horas e horas de transmissão para que os outros milhões de pessoas a milhares de quilômetros dali, e que nada tem com aquilo, possam assistir.
Na cultura do espetáculo segue agora as redes sociais transformadas elas mesmas num novo ramal de mídia divulgando fotos, vídeos, comentários infelizes, popularizando e massificando dores e sentimentos que não compartilham, não dividem; desconsiderando o fato de que tudo isso é parte viva dos sentimentos de milhares de familiares diretamente envolvidos e que ainda que não queiram irão assistir na TV e na Internet sua dor e sua tragédia serem reproduzidas e contorcidas ao gosto de gente que apenas, e no mais das vezes, quer fazer parte de algo que só quer ter participação por não ter nenhuma. É a compulsão de participar, comentar, dizer que viu que sabe que “deu uma espiadinha”. É a cultura do espetáculo.
Pouca gente se importou com o fato de que milhões de reais, mais da metade, em alguns casos, dos recursos destinados pelo governo federal às vítimas das tragédias das chuvas no Rio de Janeiro, tenham sido desviados por corruptos de plantão. Os mesmos que ficaram chocados com a tragédia das águas, pouco se importaram ou se moveram em relação à corrupção praticada na oportunidade da desgraça alheia. A maior parte e a maioria das pessoas desalojadas no Rio de Janeiro nos últimos anos continuam a viver desabrigadas de bom destino sem que qualquer mídia ou os “de luto da internet” tenham se importado com isso.
Retirado todo o potencial midiático e audiência da tragédia, retirada toda oportunidade de altruísmo virtual estéril e o bom mocismo que lhe acompanha, voltemos a nossa vida até que algo do mesmo sinistro aconteça e tudo se repita.
Apenas as famílias das vítimas irão viver todo o real horror dessa tragédia.


As reações contra a charge de Chico Caruso

publicado em 28 de janeiro de 2013 às 14:32

Gilson Caroni Filho, no Facebook
Esta é a charge da primeira página de hoje de O Globo. Uma total afronta aos mortos e ao sentimento de seus parentes e amigos. Para travar a luta política, o jornal da família Marinho não faz humor; produz escárnio, ódio, desrespeito. Quem é pior? O jornal que publica ou o chargista que se dispõe a fazer o serviço sujo? Se você tem assinatura desse pasquim de direita, cancele. Se o compra nas bancas, deixe de fazê-lo. Amigos, não houve falhas ou gafes. A ” gracinha” do Caruso é a ilustração da linha editorial do jornalismo de esgoto.
*****
Rudá Ricciem seu blog
Será que qualquer discussão política em nosso país tem que vir acompanhada deste infantilismo bestial? Não dá para elevar um pouco o nível, até atingir o nível da humanidade?
Cancelei minha assinatura do jornal O Globo porque, nas eleições presidenciais, os editores transformaram o jornal num panfleto eleitoral. Liguei informando (sei que foi ingênuo, mas meu fígado pedia) o motivo: se for para contribuir com alguma campanha, faço doação direta, sem intermediários. Vejo que a opinião de um assinante conta pouco, hoje, na trilha da difamação a qualquer custo, com ares de crítica. Não dá. É o abandono de tudo o que parece mais caro à quem tem alma. Mesmo para aqueles que desprezam ou nem sabem que têm alma.
*****
Renato Rovaiem seu blog
Esse jornalismo urubu perdeu completamente a capacidade de enxergar limites e de buscar alguma razoabilidade para a sua ação. Vale tudo para agradar aos que lhes pagam o soldo. Vale tudo para construir um discurso de ódio contra as posições políticas das quais não compartilham. Sinceramente, achei que só no limbo dos comentários anônimos fosse possível encontrar algo do nível desta charge do Chico Caruso publicada por Noblat. Sou um ingênuo. Esse pessoal que já havia transformado o acidente da TAM em um evento político, quer fazer o mesmo com Santa Maria. São carniceiros que evocam o que chamam de liberdade de imprensa para esse tipo de coisa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Classe média alta de Rio Preto no tráfico de drogas

Cocaína e ecstasy rolam solto na alta rodaAllan de Abreu Diário da Região Arte sobre fotos/Adriana CarvalhoMédicos são acusados de induzir o consumo de cocaína e ecstasy em festas raveFestas caras com música eletrônica e bebida à vontade durante dois ou três dias seguidos, promovidas por jovens de classe média-alta de Rio Preto, se tornaram cenário para o consumo de drogas, principalmente ecstasy e cocaína. A constatação vem de processo judicial em que os médicos Oscar Victor Rollemberg Hansen, 31 anos, e Ivan Rollemberg, 25, primos, são acusados pelo Ministério Público de induzir o consumo de entorpecentes nesse tipo de evento.

Oscarzinho e Ivanzinho, como são conhecidos, organizam há seis anos a festa eletrônica La Locomotive. A última será neste fim de semana, em Rio Preto. Cada festa chega a reunir de 3 mil a 4 mil pessoas. Segundo a denúncia do Ministério Público, os primos “integram um circuito de festas de elevado padrão social e seus frequentadores, em especial os participa…