Pular para o conteúdo principal

Velha mídia: o caso News of the World


Regulação da mídia e alternativas de produção de notícias

Por Marco Antonio L.
Do Observatório da Imprensa
Por Carlos Castilho
A publicação do polêmico relatório Leveson na Inglaterra passou a ser um caso mundial com conotações políticas e que vai dar muito pano para manga no debate sobre regulação da atividade das empresas jornalísticas. As organizações empresariais reagiram às recomendações do informe sobre criação de um órgão regulador para a imprensa inglesa ao perceberem que as propostas do juiz Brian Leveson podem estabelecer um precedente mundial, capaz de colocar em risco um dos maiores ícones da indústria da comunicação: a total e irrestrita liberdade de ação no campo da informação jornalística.
O relatório de duas mil páginas divulgado na quinta-feira (29/11) foi encomendado pelo governo inglês para enfrentar as fortes críticas provocadas pelos desmandos do jornal News of the World, que foi flagradopraticando espionagem ilegal de correspondência, escuta telefônica e até chantagem, envolvendo políticos, jornalistas e mesmo membros da família real britânica.
A repulsa generalizada aos atos praticados pelo jornal do conglomerado News Corporation, controlado pelo milionário Rupert Murdoch, foi tal que a publicação foi fechada em julho de 2011 e seus editores, processados. O primeiro ministro conservador David Cameron procurou apagar o incêndio criando a Comissão Leveson para investigar o caso, mas hoje deve estar arrependido porque o tiro pode sair pela culatra. Em vez de apagar uma fogueira ele pode ter deflagrado um incêndio de grandes proporções.
O relatório não poderia  ter vindo em pior hora para a imprensa mundial, às voltas com uma sucessão ininterrupta de más noticias, fechamento de jornais, queda de receita publicitária, migração de leitores para a internet e — a pior de todas — a inexistência de alternativas claras para a crise no modelo atual de negócios da imprensa.
O relatório não trata o caso News of theWorld como um incidente isolado e centra todas as suas constatações no fato de que  houve um silêncio cúmplice da imprensa britânica com relação aos desmandos do jornal sensacionalista dominical. O juiz Brian Leveson parte deste pressuposto para propor que a imprensa seja monitorada por um órgão independente tanto das organizações empresariais quanto do governo.
Na verdade, a sugestão não chega a ser revolucionaria em seu conteúdo porque se baseia no principio da autorregulação da imprensa, que teoricamente já deveria ter inibido violações dos códigos de ética do jornalismo por parte das empresas. Nada impede que o novo órgão venha a cair na mesma armadilha da ineficiência e omissão, já que o novo debate sobre  do monitoramento da imprensa é politico e não funcional ou operacional.
A recusa das empresas jornalísticas em serem monitoradas por órgãos independentes é um resquício do velho discurso que associa a liberdade de informação à liberdade de negócios informativos. Informação é uma coisa e negócios com matéria-prima jornalística, outra bem diferente. A associação de ideias, promovida pelas empresas, visa garantir a liberdade dos negócios sob o manto do livre fluxo de informação.
O monitoramento da imprensa, especialmente depois que ela foi flagrada na Inglaterra violando a privacidade alheia, usando recursos ilegais e ignorando os códigos de ética, não pode impedir a existência de empresas jornalísticas. Elas são necessárias à informação pública, mas isso não lhes assegura privilégios de isenção de responsabilização perante a sociedade, já que a informação é cada vez mais um serviço essencial à vida cultural, social e econômica das comunidades.
As empresas jornalísticas deveriam agora se preocupar mais em rever o seu modelo de negócios, procurando novas alternativas de produção de notícias e informações na era digital, em vez de ficar defendendo um privilégio que não tem mais razão de ser no mundo contemporâneo, no qual as organizações estão cada vez mais interligadas e interdependentes.
Deveriam se preocupar mais em apagar a fogueira provocada pelo News of the World em vez de ignorar a indignação do público sobre a quebra de princípios éticos por parte de uma corporação jornalística, mesmo sabendo que os leitores, ouvintes, telespectadores e internautas são a razão da existência da indústria da informação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Classe média alta de Rio Preto no tráfico de drogas

Cocaína e ecstasy rolam solto na alta rodaAllan de Abreu Diário da Região Arte sobre fotos/Adriana CarvalhoMédicos são acusados de induzir o consumo de cocaína e ecstasy em festas raveFestas caras com música eletrônica e bebida à vontade durante dois ou três dias seguidos, promovidas por jovens de classe média-alta de Rio Preto, se tornaram cenário para o consumo de drogas, principalmente ecstasy e cocaína. A constatação vem de processo judicial em que os médicos Oscar Victor Rollemberg Hansen, 31 anos, e Ivan Rollemberg, 25, primos, são acusados pelo Ministério Público de induzir o consumo de entorpecentes nesse tipo de evento.

Oscarzinho e Ivanzinho, como são conhecidos, organizam há seis anos a festa eletrônica La Locomotive. A última será neste fim de semana, em Rio Preto. Cada festa chega a reunir de 3 mil a 4 mil pessoas. Segundo a denúncia do Ministério Público, os primos “integram um circuito de festas de elevado padrão social e seus frequentadores, em especial os participa…