Pular para o conteúdo principal

"Sempre fomos uma esquerda que não lê, não reflete e é extremamente paroquial"


Zander Navarro apresenta sua leitura sobre a esquerda brasileira


A esquerda brasileira
Zander Navarro

(1) Trata-se de campo político com graves "problemas de nascença", os quais marcaram (e vem marcando) a sua trajetória e operacionalidade no país. Dois desses problemas: sempre fomos uma esquerda que não lê, não reflete e é extremamente paroquial, ignorando o que ocorre no mundo. Segundo, sempre foi uma esquerda marcadamente autoritária, refletindo a nossa cultura conservadora e hierárquica;

(2) Por tais razões, é um campo político (em todos os seus subgrupos) que jamais valorizou devidamente o tema "democracia", entendido pela maioria como sendo não mais do que uma "forma de governo", ou um aspecto apenas coadjuvante;

(3) A pobreza política da esquerda brasileira é, desta forma, fortemente influenciada pela pobreza política da vida social brasileira, sempre aberta ao pensamento mágico, ao autoengano e aos delírios programáticos - que o digam as tantas edições do FSM realizadas em Porto Alegre, os quais, longe de serem momentos de debate real e crescimento político, foram apenas "happenings" de divertimento e de reafirmação das ilusões perdidas;

(4) Ao desprezar a democracia e sequer conhecer a história do "ideal democrático", é um campo político que reitera como único ente transformador o Estado, rebaixando as possibilidades da ação cidadã e a participação social autônoma;

(5) Por ser muito fraco em termos de reflexão e análise, é também um campo político incapaz de confrontar-se com as necessidades de interpretação sobre as mudanças contemporâneas, os novos processos econômicos e sociais e a verdadeira revolução tecnológica da qual somos protagonistas. Deixo um exemplo: quem ainda usaria, seriamente, uma das categorias fundantes das narrativas da esquerda - o conceito de "classe social"?

(6) Sem outros diagnósticos adicionais (e seriam inúmeros), três temas bastariam para indicar a incapacidade do campo político da esquerda de se analisar devidamente e, ao assim proceder, analisar a sociedade onde está situado. 
Primeiro: a noção de "exclusão social", tão incensada pela esquerda, por ser meramente um indicador de carências de indivíduos e nunca relacional (como o conceito de classe social) contribuiu (e vem contribuindo) fortemente para despolitizar a sociedade e rebaixar inteiramente os conflitos sociais no imaginário coletivo. 
Segundo: "nunca antes na história desse país" houve tanta concentração da riqueza, ampliando espantosamente a desigualdade social, como ocorreu nos anos mais recentes, quando se expandiu a economia brasileira. Mas o campo político da esquerda prefere fechar seus olhos para tal fato e prefere, com ingenuidade igualmente espantosa, valorizar a redução das diferenças de renda pessoal, de acordo com os levantamentos que conseguem apurar os níveis de renda. Ignorar as diferenças (práticas e reais) entre riqueza e renda é um dos tantos erros da esquerda brasileira.
Terceiro: quando alguém terá a coragem de desmitificar os anos recentes da esquerda no poder e analisar com mais frieza o (também espantoso) processo de despolitização que observamos (corretamente deveria ser dito: a "idiotização" dos cidadãos), infantilizando a vida política com alianças absolutamente espúrias, acordo de todos os tipos, "bolsas" que apenas cooptam e amordaçam os indivíduos, a inacreditável cooptação da maior parte da intelectualidade (e assim a ausência de vozes independentes e críticas), entre tantas ações organizadas apenas a partir da estratégia do "poder pelo poder";

(7) Tudo somado, é sombria a conclusão mais geral: a esquerda brasileira foi ferida mortalmente e parece agonizar definitivamente. Como antes enfatizado por outro comentário, a postura em alguma proporção anticapitalista (ainda que levemente) foi totalmente abandonada na prática, nada ficando em seu lugar, exceto a mera postura reivindicatória em relação ao Estado. A política macroeconômica é estritamente a mesma de um receituário que se tornou mundializado, a vida política banalizou-se a níveis deploráveis e o significado transformador da democracia jamais foi sequer percebido por este campo político. Significaria apenas "garantir direitos", como antes afirmado? Sim, faz parte esse objetivo, mas as democracias eleitorais com economias liberais alcançaram o mesmo resultado, nos países do capitalismo avançado e, portanto, o que diferenciaria a esquerda? 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…