Pular para o conteúdo principal

PCC, PSDB e a Violência como DNA nacional


*Luciano Alvarenga

O Brasil virou urbano sem deixar de ser rural, deixou de ser analfabeto sem ter sido letrado, vai ficando digital sem nunca ter conhecido o livro. Apesar de tudo o que se fez nesses últimos dez anos no sentido de corrigir nossos atrasos, o fato é que a realidade cuida de desmentir qualquer publicidade que nos dê cores que não sejam as já conhecidas.
Enfim, o governador paulista se dignou a vir a público dizer que a situação é grave. Claro que é grave, faz 20 anos que o PSDB leva a cabo uma política que redunda num processo crescente de concentração de riquezas de um lado, dando aos mesmos de sempre possibilidades ilimitadas de gozo e fruição, enquanto a maioria se vê desalojada de qualquer política de Estado voltada para sua emancipação. Vide Educação, Saúde, Segurança pública, Cultura e Esporte e Renda.
O PCC é a verdade escondida nas belas, faustosas e pedagiadas rodovias do Estado de São Paulo. O PCC é a mais importante verdade no Brasil das últimas décadas, nascido e trazido à fama no Estado mais privatizado do país. Como não poderia ser diferente, é organizado, hierarquizado, disciplinado, financeiramente parrudo, politicamente poderoso e forte o bastante para falar diretamente com o outro poder, como foi didaticamente desenhado nas telas brasileiras com o filme de Sérgio Rezende “Salve geral”.
A violência se transformou na mais importante marca cultural brasileira nestas últimas décadas. Isso não é difícil explicar tendo em vista o fato de que do total de mortes de jovens entre 15 e 24 anos, algo em torno de 40%, é homicídios (Clique). Se não é pior, pelo menos em São Paulo, devemos “agradecer” ao PCC que vem regulando a mortandade em níveis apenas selvagens tendo em vista os prejuízos nos negócios.
Migramos da hiperinflação - que corria a moral da nação - para a estabilidade sem que o contingente maior da população viesse a ter acesso a qualquer benefício dessa mudança. A extensão disso é que a grande questão a explicar os níveis estratosféricos de homicídios no país é, ainda que fora de moda falar sobre isso, os índices obscenos da disparidade de renda no Brasil. Mais, se antes a violência e a marginalidade eram horrores a atormentar apenas as famílias pobres, eis que hoje a precarização da classe média tem levado seus filhos a ingressarem sem receios nem pudores nesse universo de delinquência.
Cada vez mais precarizados pela lógica neoliberal e sem perspectiva de acesso aos gozos provenientes desse sistema uma vez que a disparidade de renda entre nós avilta, sobrou aos tantos quantos a via da marginalidade. Numa sociedade onde os prazeres da realização pessoal estão vedados pela insensibilidade dos poucos que tudo tem, o que graça é a violência e corrupção.
A cartografia da violência entre os jovens assenta no intercambio consumo de drogas e profissionalização no crime organizado. A droga é, pela falta de qualquer outro vetor de gozo, a única maneira de acesso ao prazer e a realização. O emprego qualificado no mercado do crime organizado, que em São Paulo é dominado pelo PCC, torna-se para os jovens das cidades brasileiras a única forma de simbolização e afirmação de si como sujeito. O pano de fundo é a marginalidade a delinquência e a violência.
Entre os adultos pobres ou da classe média pauperizada sobra a vergonha e a culpa de nada ter ou ter muito menos do que aquilo que é necessário para se afirmar numa sociedade de afirmação pela capacidade de gozo dos bens. Como a disparidade pornográfica da renda entre nós não é um dado da natureza, mas uma política econômica racionalmente engendrada, o que temos é uma elite que mais goza quanto mais evidencia o que tem em contraposição aos que nada tem ou pouco possuem. É por isso que a ostentação no Brasil é um dado da brasilidade e a corrupção seu motor propulsor.
Jovens marginais morrendo aos milhares na busca desesperada por um lugar ao sol, pequenas elites hipergozando seus bens com o estado de miséria em que se encontra a grande maioria, adultos amesquinhados, culpados e envergonhados de si mesmos desabam no cinismo e na corrupção. O resultado é o esgarçamento do tecido social e a violência uma evidência de que o Estado se encontra na berlinda.
A ação do PCC em São Paulo, sempre e a qualquer hora que considere oportuno, é símbolo e materialização da falência do Estado e dos descaminhos trilhados pela nação nas últimas décadas.
* Sociólogo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…