Pular para o conteúdo principal

O atraso cool de Rio Preto


Luciano Alvarenga

Já escrevi em outra oportunidade que Rio Preto é uma cidade dividida em duas partes não homogêneas. De um lado, uma cidade anacrônica, autoritária, paroquial, representada por políticos de iguais adjetivos promovendo uma administração que seria ótima trinta anos trás. De outro, uma Rio Preto arejada, fluída, criativa e oxigenada por boas ideias e conectada aos melhores ventos das mudanças globais.
Estas duas faces de nossa cidade, claro, não são estanques, definidas, mas vai de uma ponta a outra em matizes. O pipocar de denúncias, novas investigações e mais manchetes nos jornais a respeito do andar da administração atual evidencia a qualidade dos ocupantes do poder e de qual parte da cidade está no comando. Temo que as coisas demorem a mudar.
Por outro lado, chama a atenção que aquela parte da cidade que não se identifica com o que ai está e que, portanto, podemos considerar a mais dinâmica e plugada aos tempos atuais, não consegue fazer entender exatamente o que pensa e quer para Rio Preto. Quase sempre escorrega numa ideia ultrapassada de desenvolvimento tendo como representantes grandes centros como São Paulo, um lugar com princípios arcaicos de convivência urbana e de valores que em nada dialoga ou, dialoga muito pouco, com o que de fato representa uma cidade do interior como Rio Preto.
O lado arejado da cidade, aquele de onde deveria irradiar discussões, debates, projetos e iniciativas para tornar Rio Preto um lugar plugado com os tempos atuais, colocando acento aqui em atual como sustentável, democrático, público e não apenas comercial e privado, é justamente o lado de onde pouco se consegue por que também ele não possui clareza a respeito do que é ser contemporâneo.
Somente isso para explicar por que uma prefeitura como a que temos tenha conseguido ganhar uma eleição ainda no primeiro turno. O atraso se encontra em Rio Preto com o moderno naquilo que o moderno ainda não compreendeu de atrasado em seu próprio pensamento. De repente temos um grupo político no poder com a força que conseguiu granjear, coisa menos provável 4 anos atrás, justamente por que soube apoderar-se daquilo tudo que o lado mais arejado não consegue esclarecer a si mesmo.
Os escândalos no poder municipal - que só vão aumentar nos próximos meses - e a reeleição no primeiro turno apesar de tudo revela por seu turno, a incapacidade daqueles que não se identificam com o estado de coisas atual, o quanto que também eles estão despreparados para dizer à cidade o que é uma cidade melhor do que esta que aí está. Luciano Alvarenga, Sociólogo



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…